terça-feira, dezembro 14, 2010

Metades

De vez em quando ou de quando vez para além de me dar para a introspecção,dá-me para a reflexão, para o pensamento, a semi-filosofia,sei lá...dá-me possivelmente para pseudo-dissertar sobre qualquer coisa...
Estava para aqui e pensar nas metáforas da alma gémea, da metade da laranja,do testo da panela (não me lembro de mais nenhuma), quando me ocorreu assim do nada se é aceitável ou saudável tentarmos encontrar alguém que se encaixe nas ditas metáforas. É normal que criemos esterotipos do que consideramos ser a chamada pessoa ideal,mas até que ponto isso será aceitável?É aceitável termos uma lista pré-concebida de que a pessoa tem que ser:
alta/baixa
gorda/magra/assim-assim
loira/morena
olhos claros/olhos escuros
gostar do mesmo que nós
ser do mesmo clube de futebol
sensível/insensível
bem-humorada/muito séria
sentido de humor apurado/falta dele
ciumento/desprendido
.....
Muito sinceramente isto só me lembra a lista de compras de um supermercado, e ponho-me a pensar se esta espécie de pré-requisitos e funcional ou não, se toda a gente tem esta lista ou não, se o chavão encontrei a pessoa da minha vida funciona tendo esta lista ou se é preferível sentir o repentino clique, as borboletas no estômago, os pêlos dos braços em pé por alguém que sem saber nem o como nem o porquê encaixa connosco sem os pré-requisitos por nós concebidos que podem muito bem ser utópicos, completamente irracionais ou surreais.

Digam-me de vossa justiça....esta minha "teoria" pode levar-me a caminho de uma ida a um psiquiatra ou tem algum fundamento???



Até acho que a música encaixa com esta pseudo-dissertação/teoria/dissertação.

9 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Quando tens o click por determinada pessoa é porque existe uma química. Assim sendo é possível dentro dos teus devaneios encontrares "aquela" pessoa. Porque todos têm ideias! De vida como ser humano. Nas relações não é excepção! Só nos resta ser coerentes para prevalecer o que efectivamente é importante para nós como ser individual e como casal. Basicamente é tudo uma questão de sermos nós na nossa essência que a vida se encarrega de fluir naturalmente...

    Esta música é um bálsamo para a alma.

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que essas "pré-definições" são algo que temos naturalmente porque vivemos na sociedade em que vivemos e porque é o que estamos habituados.
    Por exemplo uma panca que colegas minhas cá em Portugal têm por loiros de olhos azuis quando na Noruega, por exemplo, já estão mais que vistos... É claro que podemos ter ideias sobre aquele ou aquela que será "o tal" ou "a tal", mas se nos apaixonar-mos mesmo por alguém que não esteja dentro desses parâmetros podemos gostar ainda mais dessa pessoa do que da nossa "pessoa perfeita"...
    Pelo menos é o que eu penso...
    Ass:Rita

    ResponderEliminar
  4. Bom dia,
    Eu gosto imenso da música.
    É tão calma e suave.

    Quanto ao que uma pessoa tem que ser...
    Olha eu não sou perfeita, e nem quero ser.
    Sou como sou... Quem gostar gosta, quem não gostar azar o dele/dela.
    Se podia ser de outra forma, podia... Mas não era a mesma coisa :)

    ResponderEliminar
  5. Não acho que se deva escolher, é claro que há coisas básicas, por ex.º um homem que não queira trabalhar, não se aguenta nem sendo alma gémea nem de maneira nenhuma... :D Mas no fundo, é aceitar a pessoa que realmente mexe connosco, e aprender a viver com ela.
    Bisou.

    ResponderEliminar
  6. Isso são conceitos pré-definidos na nossa sociedade...e não conseguimos dissociar-nos dessa realidade. E assim sendo...avaliamos as outras pessoas assim mesmo...

    ResponderEliminar
  7. Olá Inês, temos que olhar friamente para o conceito de lista. Eu olho para ela como uma peneira, para separar o trigo do joio. Há caracteristicas que, pura e simplesmente, não me cativam e penso que à maioria das pessoas também. Exemplos? Arrogância, prepotência, falta de humildade e integridade, indisponibilidade, insensibilidade, falta de higiene...sei lá, tantas coisas!
    Agora, é claro que apaixonarmo-nos pura e simplesmente porque acontece e não porque estamos a olhar para uma checklist, é tão mais rico...sem dúvida!
    Beijinhos,Sofia

    ResponderEliminar
  8. Eu apaixonei-me por um homem que era o oposto do estereótipo! Baixo, magro, com ar meio perdido! E ainda estamos aqui, mais de vinte anos depois... :))
    Mas agora ele está bem jeitoso! ;))

    ResponderEliminar
  9. Minha gente que se deu ao trabalho de vir opinar:
    deduzo que a minha ideia não é descabida de todo...já estou mais aliviada!!

    ResponderEliminar

© Brainstorming
Maira Gall