sábado, dezembro 31, 2011

Feliz ano novo

Desejo-vos um Feliz 2012!!!!


quinta-feira, dezembro 29, 2011

Balanço



Eis a altura de me balançar e de me debruçar sobre o ano que está a acabar.
Estive a olhar para o meu "balanço" do ano passado, e previsões para este ano,e devo dizer que até me portei bem.
Mas o que não consegui prever de modo algum, nem fazia intenções de tal era de deixar alguém entrar na minha vidinha, e deixar partilhá-la, e querer que o outro lado da partilha também o faça. Isto garanto e afianço que não fazia qualquer intenção de encontrar a "metade da laranja" (se posso chamar). Eis a prova na minha pessoa de que coisas boas acontecem quando menos esperamos.

PS: gostei do site de onde retirei a imagem.Eu que sou uma esquisita com estas coisas, estou contente da vida com este meu achado.Para acederem ao site, basta clicarem na imagem.

quarta-feira, dezembro 28, 2011

Zeitgeist 2011

Apenas isto:
A miúda com uma das piores vozes que já ouvi, fanhosa como tudo, que do alto dos seus 13 anos diz qualquer coisa como a 6ª feira é o de um fim-de-semana em que avizinha a da Puta da Loucura, foi a pesquisa em ascensão mais rápida deste ano????
Está tudo louco...


Sobre o PPC




Recebi um postal lindo, fantástico e maravilhoso.
Um postal simples mas com brilho, um postal da UNICEF.
Um postal com palavras que me tocaram cá bem no fundo.
Um postal que me deixou com um brilho nos olhos, pela sinceridade que pude captar das palavras de alguém que está de outro lado, que não nunca me viu, mas que me leu, e me soube ler muito bem.
Muito, muito obrigada Mary.
Adorei do fundo do coração as tuas palavras.

terça-feira, dezembro 27, 2011

Alguém

Alguém me sabe explicar como é que eu ponho a porcaria do fundo de uma imagem em formato png transparente???
A minha pessoa está farta de tentar e não é capaz de fazer uma coisa que me parece ser estupidamente básica!!!

Template

O meu objectivo desta tarde, vai ser colocar o "logo" do meu estabelecimento blogosférico, bem como a sua definição, e tentar aproveitar algumas coisas do template original que adoro,adoro,adoro.
Também vou tentar encontrar a maneira de "alargar" o espaço dos posts (esticar/alargar a coisa, se me faço entender).
Se sou web designer???Longe, muito muito longe disso, gosto apenas de me entreter, e de brincar com estas coisas.Vamos ver no que vai dar.
Se correr como eu quero,tudo muito muito muito bem.Se não correr como eu quero tudo bem na mesma.
E a banda sonora para me acompanhar nesta "aventura" é nada mais nada menos do que esta:

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Inicio de balanço

A coca-cola no seu melhor, com o coro de Santo Amaro de Oeiras.
Afinal por cada dia de chuva,temos dois dias de sol.
E porque não acreditar???

sábado, dezembro 24, 2011

Não é uma canção de Natal...

Não é uma canção de Natal (pelo menos das típicas), mas para mim é perfeita.
Boas festas para todos.



quarta-feira, dezembro 21, 2011

Ainda o gajo

Quando fiz o post Gajo e Gaja, apercebi-me que a malta gosta dos desfiles da VS, achou a cena do gajo e gaja linda, gostam dos Maroon 5 e apreciam o Adam Levine. E eu subscrevo por inteiro. E subscrevo tanto, tanto, tanto que não tenho vergonha em dizer que "me babo" a ver este clip, que pela minha menta passam pensamentos como "Quero um Adam para mim", "Ai o que te fazia", "Ai que se olhar dá cabo de mim".
E aqui não para variar o moço está rodeado de umas moças com bom ar.
O clip já tem 4 anitos mas......não há mas nem mas.





E o clip com a  Rihanna???





Ruivo

Eu estava convencida de que o concerto em Budapeste teria sido o último do Ruivo,quando encontro um ainda melhor, fantástico, lindo e maravilhoso, na casa da Opera em Sidney.E tem cd e dvd.
Oh para mim toda contente, a ir pôr o ruivo aqui em casa para eu ver e ouvir.
Sou só eu, ou por ventura existe mais algum que gosta do toque de samba que põem no fairground??
Dá-lhe um groove que eu gosto muito, um je ne sais quio que me faz bater o pé e abanicar.




segunda-feira, dezembro 19, 2011

No fim-de-semana

Neste Sábado faleceu Václav Havel, figura de Revolução de Veludo, opositor de regime comunista da antiga República Checa, ex-presidente Checoslovaquia e da República Checa signatário da Carta 77.

Neste Domingo bateu as botas Kim Jong-Il,fundador  da ideologia Juche um grande filho da mãe de um ditador comunista, déspota, facínora.


Para aquecer/Momento insano do dia (82)

'Bora dar um pezinho de dança para aquecer???
Siga para o baile!!

domingo, dezembro 18, 2011

Gajo e gaja

Este gajo e esta gaja parece-me que se gostam, e que se gostam muito, e que gostam de estar um com o outro, e de andar um com o outro.
Parece-me que são um casal de gajos/as bem orgulhosos um do outro.

E não é bonito mostrar que ao mundo que se gosta???



sábado, dezembro 17, 2011

That's all

Em Janeiro, vou ser mais um número na taxa de desemprego nacional.
Por pouco afiança a entidade patronal (nunca faltaram à palavra).
Por pouco tempo espero eu.

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Gaga



Ao ler o post da Hysteria* resolvi debruçar-me sobre o assunto.
Eu sou gaga. Naturalmente gaga.Sou uma gaga genética, não apanhei nenhum susto que me deixasse gaga. Não gaguejo quando canto, mas também não acho que cante bem, ou que saiba cantar.
Não sou uma gaga muito gaga ou muito engasgada (como eu gosto de dizer), mas sou o suficiente para poder dedicar um post à gaguez.Não digo os R's quando estão no meio de uma palavra, e o L's também não.Comigo são um bocado atravancados.
Quando estou nervosa é um festa, porque língua e cérebro não estão sincronizados devidamente e há sempre um que quer acelerar mais que o outro.
Os gagos são discriminados na sociedade.É uma discriminação "mais leve", do que as habituais, porque enquanto não abrimos a boca está tudo bem, o problema está quando começamos a falar. Não sentimos o olhar de desprezo ou de ansiedade nos primeiros segundos de contacto visual, mas sentimo-lo nos primeiros minutos, quando sentimos a ansiedade e o embraço do outro lado, da pessoa que não é gaga e não sabe como reagir perante um gago.
Nota-se um olhar de "mauuuuu,é gaga", ouve-se "você é um bocadito gaga não é?" "sabe que a função exige contacto com o público, fluência na comunicação.
E isto custa e dói, saber-se que somos discriminados não em função de raça ou de corpo mas em função do que somos como pessoa. Nós gagos sofremos e percebemos bem o que é ser discriminado num meio social.

O site da Associação Portuguesa de Gagos, tem disponível um artigo chamado Terapia da gaguez publicado no boletim do Hospital Pulido Valente, que exemplifica bem o que se passa com os gagos.

(...)Raramente dizem que gaguejam. Têm um problema de fala. Raramente falam sobre o assunto e tentam aparentar, muitas vezes, uma certa tranquilidade em relação ao problema. (...)
 Em entrevistas de emprego na maioria das vezes esperei sempre que o assunto fosse abordado. Só o abordei por iniciativa própria quando via que a pessoa estava com receio de o fazer.
(...) Fazem tudo para que não se veja e para que não aconteça. Tudo, pode significar não falar, mudar de passeio para não saudar um vizinho. O gago arrisca-se muitas vezes a ser considerado mal educado ou tonto.   
É verdade verdadinha.Se me sinto nervosa, logo sei que estou mais gaga, se estou mais gaga provavelmente vou engasgar-me a dizer bom dia.
 (...)Têm sempre esperança que dessa vez não vão gaguejar. Por vezes não gaguejam. (...) Fogem às palavras e letras em que gaguejam mais. Esta atitude muitas vezes leva a que o sentido do discurso não corresponda  exactamente ao que tencionavam dizer. Nesta situação o gago fica com a frustração de não ter dito o que queria ou obriga-se a reformular passando novamente pelo suplício de falar. (...)
São muitas as vezes que digo mentalmente "weeeeee correu bem". Outras tantas em vez de dizer A + B + C, opto por dizer C + B + A
(...)  Pedir uma cerveja quando se pretende um café ou comprar um bilhete de comboio para uma estação diferente daquele a que se pretende chegar podem ser situações comuns no dia-a-dia de um gago.(...) Nestas situações o gago diz aquilo que for preciso para não gaguejar.(...)
Se sentir que vou gaguejar ao dizer a palavra café, opto por dizer bica e nunca o peço directamente ("é um café".) Digo "pode tirar-me por favor um café/uma bica?
(...)O gago perde muitas coisas na vida. Desiste de frequentar cursos por ser gago e vê-se impossibilitado de obter determinados empregos.Muitos gagos, pura e simplesmente, não falam ou falam muito menos do que se poderia imaginar (...)
E quando já se é tímido, como é o meu caso, ainda se perde mais.
(...)Um jovem que nos consultou referiu que um dos problemas graves com que se defrontava dizia respeito à impossibilidade de responder durante as aulas a qualquer pergunta feita para toda a turma. Sempre que queria responder pensava que iria gaguejar e enquanto hesitava outro colega adiantava-se e respondia. É evidente que seria inútil tentar convencer o professor, depois da resposta dada, que sabia responder e só não o tinha feito por ser gago.(...)
Aconteceu-me diversas vezes quando estava a estudar. Os professores diziam-me muitas vezes que não podia ter nota tal, porque não falava nas aulas. Sempre tive vontade de responder "Eu quero falar e sei as respostas.Mas como sou gaga e quero apresentar uma sequência lógica de palavras que me permita responder sem me engasgar muito, perco tempo e alguém se chega à frente.E não posso dizer algo como espere aí, deixe-me fazer o raciocínio".
(...)O gago malabarista Temos que reconhecer aos gagos uma grande habilidade para falar. O gago reconhece que existem palavras ou letras em que gagueja mais tenta evitar as palavras usando sinónimos e introduz fonemas parasitas para facilitar a produção do discurso.Se nem sempre é fácil exprimirmos com exactidão aquilo que desejamos, podemos imaginar a “ginástica” que o gago faz para dizer aquilo que quer. Ora, dadas estas circunstâncias o gago apercebe-se perfeitamente do resultado desastroso deste género de tentativas para controlar a gaguez.Consciente da pouca eficácia da solução encontrada persiste na sua aplicação, apenas por não encontrar outra melhor.(...)
Nem mais nem menos. Por vezes eu executo grandes  malabarismos. Para quê?? Para nada.
(...)Os gagos detectam nos seus interlocutores várias respostas à sua gaguez, mas as que referem como mais perturbantes, são a pena, o gozo, a ansiedade e o desprezo.(...)
 Irrita-me solenemente que acabem uma palavra ou uma frase por mim. Que digam "ela é um bocadinho gaga", que digam "fala com calma para gaguejares menos".
(...)Num grupo de conversa o gago está normalmente impedido de participar quer por limitação própria quer porque, tratando-se de uma conversa animada é difícil tomar a palavra para qualquer elemento do grupo. São situações em que frequentemente alguém diz com insistência “posso falar?” ou “agora falo eu!”. Estes pedidos de lugar na comunicação quase nunca são atendidos. É preciso impor a fala. Se o gago perguntar “posso gaguejar?” verificamos que esta inocente pergunta tem o dom de calar, literalmente, os outros elementos do grupo.(...)
Por norma quando quero falar e não me deixam, digo sempre "posso falar??" ou " eu sei que sou gaga, mas importam-se que eu fale?" e ainda "eu sei que estou nervosa, portanto isto não vai sair à primeira."
Mas vou ponderar seriamente no "posso gaguejar?"

quinta-feira, dezembro 15, 2011

Foda-se

Nem para trás nem para frente.
Foda-se.
Apenas isto.
Foda-se.

terça-feira, dezembro 13, 2011

Hora do Vitinho (108)

Por que é que fodemos o amor? Porque não resistimos. É do mal que nos faz. Parece estar mesmo a pedir. De resto, ninguém suporta viver um amor que não esteja pelo menos parcialmente fodido. Tem que haver escombros. Tem de haver esperança. Tem de haver progresso para pior e desejo de regresso a um tempo mais feliz. Um amor só um bocado fodido pode ser a coisa mais bonita deste mundo.
Miguel Esteves Cardoso - O amor é fodido

Sobre o suícidio




Apenas isto.
E pouco mais:
Não nos conhecemos a nós mesmos e não conhecemos os outros. Não sabemos se a pessoa que mostra um ar de felicidade suprema realmente o é.
Não sabemos o que prepassa na cabeça de muitas pessoas que aparentemente têm tudo para serem felizes, ou para caminharem para essa felicidade.
Não sabemos que factores determinam o acto de acabar com a própria vida.
Falamos e opinamos dizendo "Ah e tal, não entendo tinha tudo para ser feliz", ou " realmente tinha uma vida um bocado infeliz mas deixou a família, a esposa, o marido, o filho", ou "não tinha motivos nenhuns para isso".
Não sabemos o que leva alguém a cometer este acto, sabemos contudo que tem muito sofrimento no assunto.Sofrimento da pessoa que o faz, sofrimento da família de quem faz

Há cerca de dois anos pensei em cometer suícidio, em acabar com tudo, mandar tudo ao ar, esquecer,fazer a verdadeira apologia do "quero que metade do mundo se mate, e que a outra metade se foda."
Desistir de mim, dos outros, de tudo. Desaparecer deste mundo de uma vez por todas, acabar pura e simplesmente. E lembro-me perfeitamente que em Dezembro de 2009 (sensivelmente por estes dias), olhei para uma caixa de Diazepam novinha em folha e pensei "porque não"? Agarrei na caixa, abri-a e pensei outra vez "e porque não?Estou farta da minha vida, estou farta de sofrer, estou farta de viver, estou farta de ver sofrimento, não aguento mais isto, não consigo fazer o que me prupôs", e mais e mais e mais. E fiquei muito tempo a olhar para os comprimidos, com as lágrimas a cair pelo acto de egoísmo que ia cometer, mas com uma vontade tão grande de o fazer e de acabar comigo, de ir embora deste mundo.
Mas não o fiz, não sei se desisti de o fazer, sei que não o fiz por causa dos meus pais e muito principalmente por causa da minha mãe.
Se o fizesse estava a cometer como eu digo um acto de egoísmo, a pensar somente em mim e a esquecer os outros. Os meus pais e neste caso particular a minha mãe não mereciam o meu acto de egoísmo.Então arrumei a caixa e adormeci a chorar, a questionar-me do porquê, do porquê de tudo.  

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Direitos e deveres


O ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, diz que "no Rendimento Social de Inserção (RSI) devemos separar "o trigo do joio" porque os beneficiários do subsídio têm não só direitos mas também deveres, nomeadamente o de procurar trabalho de forma ativa e de desempenhar 'trabalho socialmente necessário', quando têm idade e capacidade para o fazer. Em declarações à Agência Lusa o ministro sublinha que é preciso que as pessoas tenham consciência destes deveres e que é por isso que os beneficiários vão passar a assinar um 'contrato de inserção', garantindo que quem precisa é que recebe o subsídio.



Apesar de não ter gostado mesmo nada da troca da vespa pelo Audi, concordo a 110% com esta decisão.
Se uma pessoa desempregada tem que andar na procura activa de emprego, e tem que a determinada altura aceitar o que lhe é dado sem reclamar, quem recebe o Rendimento Social de Inserção pode e deve-o fazer. E já deviam ter tomado esta iniciativa há muito tempo. Com certeza que a taxa de desemprego não seria tão elevado e nem o Estado teria os cofres tão vazios.


Babies/Momento insano do dia (81)

Se vêm lançados a este post e estão a pensar que estou grávida, à espera de um baby, desenganem-se. Podem dar meia volta e ir à vossa vida. Se estão a questionar-se o porquê deste post, fiquem. Se pensam que vou dizer que gosto muito de bebés e de fraldas sujas, também podem dar meia volta (mas gosto bebés, que fique já aqui esclarecido).
Este jeitoso que está aqui em baixo é o Ooga chaka baby, um dos primeiros videos virais dos anos 90 (segundo li), o primórido dos bébes que gostam de dar um pezinho de dança, o bebé dos bebés dançarinos, e uma das minhas alucinações preferidas da Ally Macbeal.




Se por acaso se estão a perguntar "quem é canta este misto de dança tribal com mais qualquer coisa estranha", eu respondo. A música chama-se Hooked on a feeling e é de 1973.Mas encontrei uma versão
 muito melhor que penso que é a da Ally, cantada pelo David Hasselhoff.





Não sei o que será mais insano: ver um bebé a dançar ou o David Hasselhoff. a cantar. Ou estão ambos no mesmo patamar. Mas insano é de certeza ter na cabeça as seguintes palavras: Ooga chaka ooga chaka ooga chaka 

Happiness

 

sexta-feira, dezembro 09, 2011

Postais

Ora bem, vou só ali comprar os postais de natal para a Pólo Norte e para o meu secret friend. Só espero encontrar alguma coisa que me agrade, que sejam alusivos à época mas que fujam ao comum. O comum do Pai Natal, das Renas, dos meninos em redor da árvore, a nova e bla bla bla, não são os postais que me apetece comprar e enviar.
Vamos ver se não me sai o tiro pela culatra.

terça-feira, dezembro 06, 2011

Homens

Descobri um segredo há muito bem guardado.
O que os homens fazem na casa de banho....depois de fazerem o seu xixi ou o cocó, não conversam como muitas de nós, nem retocam a maquilhagem, ou se penteiam.
Eles dançam "You're my first, my Last, my everything" de Barry White.


segunda-feira, dezembro 05, 2011

Árvores

Não sou mais que ninguém, e também faço o que disse neste post.
Há uma sensivelmente 10 anos que me recuso a fazer a árvore de natal. No ano passado, no estabelecimento hoteleiro, praticamente me recusei a dar palpites sobre se a dita devia ficar em sítio X ou em sítio Y.
Mas como o Natal é para as crianças, e eu tenho uma espécie de criança grande em casa, ontem decidi-me a fazer a árvore. Quando a minha "criança" ontem chegou a casa teceu um sorriso rasgado quando viu a dita montada e enfeitada, ficou ainda mais contente por colocar a estrela no topo da árvore, e ainda foi à procura de algodão para colocar nos ramos da dita.
Quanto à montagem e enfeitamento da árvore, para variar não ficou completamente ao meu gosto, tive até pena em não ter fitas mais grossas.
Quanto à àrvore, parece-me uma árvore caquética, e eu estive imenso tempo a tentar pôr os ramos da dita direitinhos.

sexta-feira, dezembro 02, 2011

Quase como os porcos


E nas férias em que é suposto manter-se o peso, ou engordar eu emagreço.
Raios partam o raio de metabolismo....
Vou voltar para a engorda, quase como os porcos, que são alimentados à viva força para engordarem, ficarem rechochudos e anafadinhos, como são bonitos de se ver.


quinta-feira, dezembro 01, 2011

1 de Dezembro


  • Portugal é o terceiro país Europeu com maior número de pessoas infectadas com o vírus do HIV.
  • Em 2010, o número de infectados em todo o mundo é 17% superior ao ano de 2001.

 

Mês 12

E pronto...entrámos no mês 12, no mês de Dezembro, no último mês do ano. Há quem adore, há quem odeie, há quem vá do ódio ao amor como quem muda de roupa.
O Dezembro é um mês que não aprecio particularmente.Não quer dizer que odeie, porque o meu pai faz anos neste mês, e tenho boas recordações dos natais de infãncia.
Mas o Dezembro é para mim é um mês cínico, ou um mês que leva as pessoas a serem cínicas. É verdade. Passamos os restantes 11 meses a falar mal, a criticar, a sermos avarentos, a não fazermos isto, aquilo, ou o outro porque não queremos, ou não gostamos. E chegamos a Dezembro eis que: toda a gente ajuda, toda a gente é solidária, são jantares e almoços de Natal nos empregos, em que todos trocam prendas e esboçam sorrisos, são reuniões de família em que muitos se esforçam para terem um sorriso na cara que não seja muito amarelo, são as prendas que são compradas e oferecidas porque tem que ser, e porque não se pode ficar mal na fotografia. São os natais nos hospitais e as galas de solidariedade em que todos damos, porque é Dezembro, é natal e "re béu béu béu pardais ao ninho", e mais do mesmo.
O mês 12 é provavelmente o mês mais cínico do ano, ou o mês em que nos tornamos mais cínicos. Todos o somos um bocadinho nesta altura, não adianta negar.
Todos neste mês praticamos o socialmente correcto, em que fazemos aquilo que não queremos e não gostamos só para agradar, e os outros fazem o mesmo.


quarta-feira, novembro 30, 2011

Amores declarados


Fazer um registo de propriedade é chato e difícil mas fazer uma declaração de amor ainda é pior. Ninguém sabe como. Não há minuta. Não há sequer um despachante ao qual o premente assunto se possa entregar. As declarações de amor têm de ser feitas pelo próprio. A experiência não serve de nada — por muitas declarações que já se tenham feito, cada uma é completamente diferente das anteriores. No amor, aliás, a experiência só demonstra uma coisa: que não tem nada que estar a demonstrar coisíssima nenhuma.
É verdade — começa-se sempre do zero. O facto de ser, como diz, "o rapaz mais solicitado do liceu" não conta para aparas de alpista. Cada vez que uma pessoa se apaixona, regressa à suprema inocência, inépcia e barbárie da puberdade. Sobem-nos as bainhas das calças nas pernas e quando damos por nós estamos de calções. A experiência não serve de nada na luta contra o fogo do amor. Imaginem-se duas pessoas apanhadas no meio de um incêndio, sem poderem fugir, e veja-se o sentido que faria uma delas virar-se para a outra e dizer: "Ouve lá, tu que tens experiência de queimaduras do primeiro grau…"
Pode ter-se sessenta anos. Mas no dia em que o peito sacode com as aurículas a brincar aos carrinhos-de-choque com os ventrículos, Deus Nosso Senhor carrega no grande botão "CLEAR" que mandou pôr na consola consoladora dos nossos corações. Esquece-se tudo. Que garfo usar com o peixe. Que flores comprar. Que palavras dizer. Que gravata com que raio de casaco hei-de usar? Sabe-se nada. Nicles. Raul Nery.
Olha-se para as mãos e parece uma cena de transformação dum filme de lobisomens — de onde outrora havia aqueles dedos tão ágeis e pianistas, brotam dez abortos de polegares. E o vinho entorna-se só de pensar nisso. E as solas dos sapatos passam a atrair magneticamente todos os excrementos caninos da cidade. E a voz que era toda FM Estéreo da Comercial quando vai para dizer "Gosto muito de ti" fica repentinamente Abelha Maia.
Tenha-se 17 ou 71 anos, regressa-se automaticamente aos 13 — a terrível idade do Clearasil e das sensações como que de absorção. Quem se apaixona dá mesmo saltos no ar e diz "Uau!" quando o Pai deixa usar a pasta de dentes dele. Qual "ternura dos quarenta", qual bota da tropa cheia de minhocas! O amor é sempre uma anormalidade que provoca graves atrasos mentais. Leva gerentes bancários a quererem comprar uma mota e a visitarem asilos só para bater com a porta dizendo "Nesta casa ninguém me compreende!".
Dir-se-á que esta insegurança é irritante. Se calhar é diferente nos homens e nas mulheres. Um homem pode ser amado por cem mulheres bonitas e no dia em que uma feia lhe vira a cara desaba-se-lhe a confiança. Acha que as outras cem é que estavam enganadas e que só esta percebeu finalmente que ele não prestava para absolutamente nada. A uma mulher, em contrapartida, basta ser amada uma única vez para achar que os cem homens que a rejeitam são simplesmente parvos que não sabem o que perdem.
Deveria haver uma "SECURITAS" do amor — uma firma eficiente que soubesse proteger os corações particulares das pessoas. Que surgisse, fardada e encapacetada, de luva esticada a separar as pessoas no meio de um "tête-a-tête" num restaurante: "O primeiro a roubar um beijo vai preso." Não, isso também não. De preferência, seriam os guardas desta "Securitas" que abririam as garrafas de champanhe sem com isso cegar a "hamster" da pretendida. Seriam revisores exímios dos bilhetes e das cartas de amor. Onde as pessoas escrevessem as habituais tiradas, tipo "Eu vou-me matar se não casares comigo", poriam frases mais sedutoras e eficazes. Daquelas que só ocorrem quando não se está apaixonado.
Mas não há nenhuma "Securitas" do amor. Não há nenhuma agência que trate da documentação. Não. As declarações de amor têm de ser feitas à mão. Não se pode usar esferográfica. Só sangue fresco.
Na verdade, não há amor sem insegurança. Quem tem a certeza de ter quem quer, ou não tem, ou não quer grande coisa. A "segurança" é mais para desodorizantes do que para paixões. "E se alguém vier para lhe oferecer flores e se estampar no chão à sua frente fracturando a cana do nariz e espirrando sangue para cima do seu vestido de seda branca… Você sabe que é Impulse.".
Mas então como se faz uma declaração de amor? Em papel selado, na presença de um advogado. Por que não? As piores declarações são as pífias e clandestinas, do género "Acho-te uma pessoa muito interessante". As melhores são aquelas que comprometem quem as faz, que se baseiam em provas capazes de serem apresentadas em tribunal, que fazem corar as testemunhas. As declarações do tipo "Experimentar-a-ver-se-dá" nunca dão. É melhor mandar imprimir 2000 folhetos e distribuí-Ios por avioneta à população, devidamente identificados, do que um bilhetinho anónimo de "um admirador". As declarações de amor têm de cortar a respiração a quem as recebe, têm de rebentar na cara de quem as lê. O amor e o terrorismo são questões de objectivo, e não de grau.
Como estamos todos a zero, ninguém pode dar conselhos a ninguém. Há séculos que as maiores cabeças do mundo procuram a frase perfeita de apresentação. Há as deixas rascas, do género "Deixe-me adivinhar o seu signo", ou "não costuma cá estar às terças-feiras, pois não?" há as deixas pirosas, do género "Importa-se que eu diga que você é muito bonita?" ou "Posso só dizer-lhe uma coisa?" "O seu namorado tem muita sorte!". Depois, há as deixas supostamente "cool", do tipo "O meu nome é Max eu toco Sax" ou, mais formal, "Muito prazer, Luís Bobone, toco saxofone". Ultimamente, a julgar por recentes exemplos, é moda usar deixas crípticas, do género "Então sempre conseguiu resolver aquilo?", ou "Importa-se de me segurar a bebida enquanto eu olho para si? É que pode apetecer-me bater palmas" ou ainda (versão 1987) "não se importa de ficar aqui comigo um bocadinho enquanto o meu guarda-costas não volta da casa de banho?".Todo o amor é um engano. Trata-se é de nos enganarmos bem.

 A causa das coisas - Miguel Esteves Cardoso

Ainda a propósito do Património da Humanidade

Fotografia  roubada com toda a lata daqui.

Quem por aqui anda há algum tempo, sabe que a minha pessoa vive na Zona Oeste, o que não sei se sabem (sinceramente não me lembro se já mencionei), é que sou nascida e registada nas Caldas da Rainha.
 Posto isto, ao olhar para a foto aqui em baixo, pensei para com os meus botões "e porque não???"
O caralho da caldas também é de todos, apesar de fabricado nas Caldas, e há para todos os gostos e feitios em termos de tamanhos e sim grossuras. Ninguém fala das Caldas sem se lembrar dos caralhos, ninguém vai às Caldas sem os espreitar e quem sabe trazer para casa como um Souvenir. O caralho da caldas dá comida a muita gente, é fabricado com muito amor e afinco, as mãos já trabalham o caralho há muitos anos.São mãos sábias e carinhosas, as mãos que fazem os caralhos.E o caralho das Caldas tem o seu valor, e é merecido.



domingo, novembro 27, 2011

Hora do Vitinho (107)

Miss hot legs ontem fez ontem 72 anos.
Um concerto desta senhora seria algo que gostaria de ver. Parece ser bastante bom.


Fado

O Fado, não é de Lisboa, Coimbra, ou do Porto.O fado é meu, é de vocês, é nosso, é vosso.
O Fado é a nossa língua, o nosso sentir, a nossa saudade, a nossa vida, o nosso destino.
O Fado é o nosso choro, é o nosso riso, é a nossa emoção.
O Fado é uma transmissão de alegria e de dor.
O Fado mais que nos cantar, fala-nos, exprime-nos, mostra-nos.
O Fado é a nossa sina, a nossa alma, a nossa cultura.
O Fado é alegre, castiço, gaiteiro, engatatão.




O Fado é Património Imaterial da Humanidade.


Natalícios

Os senhores da SIC não têm mais nada que fazer do que já me estarem a massacrar com "natalícios"?
E este ano adiantaram-se.
Há pelo menos uma semana que estou a ver o logo do canal em modo natalício.

sábado, novembro 26, 2011

Parvoices facebookianas

Eu sei que os donos do Facebook fazem o seu melhor para manter a coisa sempre actualizada, com 1001 aplicações, variações nas formas como aparecem as notificações, as fotos, as ligações e por aí adiante.
Mas daí a eu fazer o upload de uma foto da minha pessoa, e aparecer algo a dizer identifica os teus amigos, deixa-me assim a modos que com cara de parva.Eu não vou identificar ninguém e muito menos a mim mesma.
Não podiam deixar esta treta como estava e pôr essa opção para depois??
E edito uma foto e tenho que dizer com quem estou??Onde foi tirada???Cambada de calhandreiros!!
Irra, que esta porra é actualizada e sofisticada quantas vezes por semana???
E estou farta de quererem que subscreva este e aquele e outro só porque X ou Y gostam, e de fazer 50 vezes por dia os murais da luta contra isto, aquilo, a consciencialização, a solidariedade, em alturas que não se devidas.Se o mês da consciencialização para cancro da mama é em Outubro, porque é que eu tenho que estar a ler isso em Setembro, ou em Novembro???O acto é muito bonito, mas é mais importante a moedinha para a Liga Portuguesa contra o Cancro.




quinta-feira, novembro 24, 2011

Gang

Yeah!!!I'm part of it!!
Vá....inscrevam-se!!


quarta-feira, novembro 23, 2011

Para terminar

You never know the biggest day of your life is your biggest day, not until it’s happening.
You don’t recognize the biggest day of your life, not until you’re right in the middle of it.
The day you commit to something or someone.
The day you get your heart broken.
The day you meet your soul mate.
The day you realize there’s not enough time because you wanna live forever.
Those are the biggest days.
The perfect days.
Grey's Anatomy

Et voilá

Está aqui um 31!!!!
É o que as pessoas costumam dizer, e que o meu pai me confirmou agora via msn, não estivesse eu enganada com as "expressões numéricas."
Pois é....está aqui um 31, eu sou um 31, está armado o 31.
Enfim, tenho 31 anitos!!!
31!!!!





terça-feira, novembro 22, 2011

Homem

Homem que é homem não bebe leite, come a vaca ... e usa Old Spice.
Ouvi este fantástico slogan na rádio há alguns dias e pensei para comigo: Oh Deus, oh Deus!!!!
Oh senhores, quem é que inventou isto?????

Ranking

Ora bem, também eu decidi divulgar o meu ranking em como a malta "me encontra". Então segundo o blogger, o meu estabelecimento blogosférico é encontrado através das seguintes palavras:
  • pepinos: eu não gosto de pepinos e já o disse aqui.
  • mamas: mamas????Só se forem minis, porque a minha pessoa não é avantajada, e já foi dito.
  • e isto? pode durar para sempre anatomia de grey: hummm???no entiendo
  • macacos não vejo não falo não ouço: aqui não há muita macacada
  • musica chupadela: pl'amor da santa!!!
  • telefone vermelho guerra fria: cultura geral, muy bien.
  • arrefinfar: a arte do arrefinfamento tem que se lhe diga.
  • coelhinhos fofinhos: ou muito me engano, ou está relacionado com a páscoa.
  • significado do numero 69: tem o significado que tem.
  • www.adepressaodoi.pt: coisa mais séria.
  • palavrões em desenho: qué???
  • a vida: pois é...às vezes é fodida
  • fuck: what a fuck???

Pesquisa variada portanto.Desde depressões, a cultura geral, passando por macacadas, coisas fofas e outras nem tanto.Haja variedade.

segunda-feira, novembro 21, 2011

Hora do Vitinho (106)

"Viver é desenhar sem borracha"
Millor Fernandes

Gosto tanto, tanto, tanto, tanto desta música.


Aniversário

E em vésperas de aniversário, lembrei-me que está a fazer quatro anos sobre a altura em que descobri que tinha que começar a nortear a minha vida não só na minha função, mas também em função da minha mãe.
E lembrei-me que daqui a alguns anos, não sei se muitos se poucos terei provavelmente decisões a tomar. E lembrei-me que faz anos que me disseram que ela tenha um cérebro de alguém com mais de 60 anos.E lembrei-me de que ela não é capaz de fazer metade do que fazia, que deixa uma tarefa a meio, que tem que ser chamada a atenção para fazer tarefas que antes eram adquiridas.
E lembrei-me que tenho que tomar conta dela, e de mim.

domingo, novembro 20, 2011

Wanted dead or alive

É oficial....após anos e anos a tentar escapar-me, e de fugir a sete pés para onde podia, a esconder-me por todos os cantos e recantos, a escapar-me das garras dos meus perseguidores, fui finalmente descoberta, já não tenho forma de escape.
Eu Inês, dona deste estabelecimento blogosférico, sou procurada pelo FBI.Não sei qual é a minha posição no top deles, mas os grandes filhos da mãe caçaram-me!!!






Agora que fui descoberta, posso finalmente afirmar que esta música foi composta para mim, para a minha pessoa.

Shake it out

Esta mulher para além de ter um vozeirão poderoso, tem uma presença em palco fantástica.Quanto à música, 'bora lá tirar os diabos de cima de nós, das nossas costas, seja de onde for.
 Xôoooooo

Shake it out, shake it out, shake it out, shake it out, ooh woaaahShake it out, shake it out, shake it out, shake it out, ooh woaaaahAnd it's hard to dance with a devil on your backSo shake him off, oh woah



sexta-feira, novembro 18, 2011

Lenços de papel

Tenho dois filmes dignos de ter ao meu lado uns pacotes de lenços de papel para o que der o vier, para ver este fim-de-semana.
A saber:

A walk to remember (uma promessa para toda a vida).




The notebook (o diário da nossa paixão).


São dois filmes lamechas, de um escritor consegue pôr o mulherio a suspirar e com a lágrima no canto do olho com cada livro que escreve. No meu caso, são estes os livros que me deixam em modo "Aiiiiiiiiiii tão lindo", e quase em modo lacrimejante.

quinta-feira, novembro 17, 2011

Momento insano do dia (80)

Vi o que me parecer ser o novo video clip dos Santa maria, esse grupo que esteve há uns bons anos na vanguarda da dance music nacional e disse somente isto: Jasus!!!!


Comentários

Quando vejo uma notícia bombástica na net, cuja maioria é relacionada com os senhores políticos, espreito sempre alguns comentários. Não raras vezes, deparo-me com os que escrevem que querem um 25 de Abril, os que dizem que são todos iguais, os que afirmam que notícia é falsa e foi congeminada por alguém de uma qualquer oposição partidária (por norma são os partidários do partido, ou do visado), e ainda os que dizem que a malta votou em usurpadores, ladrões, falsificadores, mentirosos, e por aí adiante.
O que eu gosto mesmo é do último comentário tipo.
Para além de ser por norma efectuado por uma qualquer oposição partidária, é feito por alguém que ou quer um tachito, ou está sem medo de ficar sem ele, ou é acéfalo, ou foi-lhe feita uma lavagem cerebral.É que esses senhores estão em todo o lado infelizmente, não se limitam a um partido.
Eles estão em todo o lado senhores, nos grandes, nos médios, nos assim assim e nos pequenos.

Ditado

Quer-se dizer que prenderam o Duarte Lima, não por ter limpo o sebo à Senhora Dona Rosalina, mas por ter limpo o sebo a uns trocos no BPN.
E prenderam também o filhote, que pelos vistos aprendeu e muito bem com o seu pai a arte de bem limpar.
E assim se comprova o velho ditado "filho de peixe sabe nadar", tem a sua lógica.
Poucas vezes vi um ditado Português a fazer tanto sentido.



quarta-feira, novembro 16, 2011

Hora do Vitinho (105)




Come on, baby, dry your eyes
Wipe your tears
Never like to see you cry
Won't you please forgive me ?

I wouldn't ever try to hurt you
I just needed someone to hold me
To fill the void while you were gone
To fill this space of emptiness

I'm only human
Of flesh and blood I'm made
Human
Born to make mistakes

So many nights I longed to hold you
So many times I looked and saw your face
Nothing could change the way I feel
No-one else could ever take your place

I'm only human
Of flesh and blood I'm made
Human
Born to make mistakes

I am just a man

Please forgive me

The tears I cry aren't tears of pain
They're only to hide my guilt and shame
I forgive you now I ask the same of you
While we were apart I was human too

I'm only human
Of flesh and blood I'm made
I am just a man
Human
Born to make mistakes


Para além de dizer "God bless the 80's" que na minha opinião nos deram muito boa música, digo que gosto bastante desta letra.
Fala do que somos, e nós somos humanos, apesar de por vezes termos pretensões de esquecermos esse facto, de querermos trancar as nossas emoções, de nos tornarmos puras máquinas, que não exprimem nem sentimentos, nem emoções.

Profecias

Eu já conhecia as profecias do Nostradamus.Aliás penso provavelmente existem as 1001 interpretações para cada uma delas.Também já conhecia o gostinho que Hitler tinha pelo oculto, e o facto de a suástica ter sido escolhida pela sua simbologia.Mas desconhecia que o senhor do bigode também tinha feito um qualquer género de profecias, e ainda desconhecia mais que o raio do homem queria um Reich de 1000 anos. O que eu já conheço no meio de tudo isto é que existem sempre malucos que querem supremacias e purificações de raças e afins. E o que eu conheço e não gosto é saber que estas ideiazitas se propagam à velocidade da luz.E sim, claro que sei que existem seguidores acérrimos da maior desgraça que terá passado pela humanidade.

Benetton no seu melhor


As campanhas de marketing da Benetton sempre me surpreenderam. Aliando a ousadia a fotógrafos geniais, e a mentes brilhantes que não têm medo de chocar ou de chamar a atenção para as várias realidades sociais,a Benetton na minha opinião consegue superar-se a ela mesma diversas vezes.Há algum tempo que não o fazia mas desta vez, terá feito a que será provavelmente a campanha mais polémica de todas.
A Benetton alia de forma soberba a publicidade da sua marca, com a polémica, a necessidade de uma conscencialização social e uma causa. Para mim faz um uso social do seu nome, apela, critica, acorda mentes, desperta a sociedade de forma individual ou em grupo, gera empatias cria antipatias.
A mais recente campanha da Benetton tem o simples nome de Unhate, e o slogan é o seguinte:
«Neste mundo, o ódio nunca é apaziguado pelo ódio. Só o não odiar pode apaziguar o ódio».
Diz o Jornal de Negócios:  “O que quer dizer ‘UNHATE’? ‘UN-hate’. Pára de odiar se odeias. ‘Unhate’ é uma mensagem que nos convida a considerar que o ódio e o amor não estão tão longe um do outro como pensamos. Na verdade, os dois sentimentos opostos estão muitas vezes num equilíbrio delicado e instável. A nossa campanha promove uma alteração no equilíbrio: não odeies, ‘unhate’[deixa de odiar]”.
Da minha parte, deixo as imagens e o vídeo da campanha Unhate, que foram retiradas do site http://unhate.benetton.com/



Barack Obama e Hugo Chávez

Kim Jong Il e Lee Myung-Bak

Papa Bento XVI e o Imã d’Al-Azhar

Angela Merkel  e Nicolas Sarkozy


Benyamin Nétanyahou e Mahmoud Abbas



 Hu Jintao e Barack Obama


Polar Postcrossing 2011

I'm in!!!Quero muito receber, e quero muito enviar um postalinho.Gosto mesmo destas coisas!!


terça-feira, novembro 15, 2011

Solidariedade

Podia entrar no contexto de que estamos numa época de solidariedade e tal, mas verdade seja dita, para ser solidário, e ajudar não são necessárias épocas específicas.Basta apenas a vontade de querer contribuir para algo bom e justo, para dar uma mãozinha, um pézinho, um ombrinho, ou o corpinho.
Assim, no espírito de que a solidariedade e as boas acções devem ser praticadas não no espaço de um mês, mas no espaço de 365 dias por ano, aqui ficam estes links:

Palco do tempo/Amnistia Internacional
Banco Alimentar



Piada

Parti-me a rir quando li que o Secretário de Estado do Emprego disse que o Salário Minimo Nacional não é baixo e que está aritméticamente está muito bom para a nossa vidinha.
E ainda me deu mais vontade de rir quando vi na edição em papel do correio da manhã que o nosso SMN é 3º mais baixo a nível europeu, e que o SMN Espanhol e o Grego são maiores do que o nosso.
Eu proponho uma equação muito simples: se quando aderimos ao Euro aprendemos a fazer o "câmbio" multiplicando por 2 o nosso escudo, para sabermos quanto gastamos a mais basta fazer a mesma conta.
Exemplo: um café custava 50 escudos. Multiplicando por 2, um café custa agora pelo menos 100 escudos, o que equivale a 50 cêntimos. Agora Senhor Secretário de Estado, aplique esta fórmula a custos com luz, água alimentação e afins. Acha mesmo que o SMN é suficiente???
Oh Senhor...com as parcas e baratas despesas que temos o SMN devia ser o dobro!!!!

Kiss

Antes de mais estou acordada a tarde e más horas porque estou de férias. Se já podia estar na sorna, no vale dos lençóis de flanela com um pijama bem quente, poder podia, mas como diz o outro não era a mesma coisa. E verdade seja dita tenho algumas manhãs inteira para accionar o modo "levantar tarde".
O outro motivo que me leva a estar aqui a tarde e más horas, já de madrugada e quase a caminho da manhã é que descobri esta versão espantosa do "I was made for loving you",e decidi "mostrá-la" agora, não fosse estar amnésica de manhã e a coisa "varrer-se".
Há quem oiça musica do Tibete, música de Yoga, Pan pipes e afins para acalmar, destressar e aliviar a tensão. Acredito que saiba bem fechar os olhitos e ouvir os címbalos e os sinos Tibetanos, bem como os mantras. A questão é que com a minha pessoa nada destas coisas funcionam,e os pan pipes enervam-me. Verdade seja dita só o pensar "vou ali ouvir música do Tibete para acalmar enerva-me, porque os monges Tibetanos são muito calminhos para o meu gosto. Parece-me que nada lhe mexe com os nervos, ouvem os sinos, e pumba...ficam Zen, com os chakras e afins alinhados.

À minha pessoa o que acalma, destressa e "alinha" a coisa é lounge (com variantes e sem variantes), chill out e afins. É bom, maravilhoso, fantástico. E isto é dito por alguém que em estado "nerbioso", tende a fazer arremesso de objectos que depois fazem falta,e que em tempos idos tinha uma "selecção" de material um bocadito "mais pesadote" para acalmar o barco.

E estou a escrever este testamento, e a divagar porquê??
Porque me apetece e pronto.
Agora vou ver a "Private practice".
Para vocês um bom dia de trabalho, de descanso, de férias, e como disse uma amiga minha "É seguir em frente, porque atrás vem gente."

 

domingo, novembro 13, 2011

Podia ser

Podiam chover homens mas não. Só chove água, a dita chuva normal.
Nada de uma chuva de homens com bom ar, para todos os gostos e feitios.


quinta-feira, novembro 10, 2011

Hora do Vitinho (104)

Digam de vossa justiça....
Love changes everything????



I see dead people

Enquanto estava à espera do rápida para a casita no Campo Grande, olhei para uma folhazita A4 afixada na paragem do autocarro, que anunciava que hoje no hotel Ibis, junto a Sete Rios, iria existir um grande evento, relacionado com umas terapias de Reiki e mais qualquer coisa (se não estou em erro), que dizia nada mais nada menos do que a famosa frase do filme o 6º sentido: " I see dead people".
Os oradores eram 3, a senhora Inglesa que falava com os espíritos em Inglês (língua universal claro está, até os falecidos falam Inglês) que fez com a Julinha programa da TVI, cujo nome não me lembro, um senhor que provavelmente verá "dead people", ou que falará com eles (não sei se em Francês ou Alemão, Português ou Chinês), e maravilha das maravilhas a Melinda Gordon, a senhorita que vê e fala com espíritos em Inglês numa série de tv chamada  Ghost Whisper. Atenção que não é a Jennifer Love Hewitt, que vem a Portugal dizer "I see dead people", é mesmo a Melinda Gordon....
Ao mesmo tempo que tive pena em não ter fotografado o raio da folha A4, fiquei a matutar nas pessoas que caiem nestas coisas...

quarta-feira, novembro 09, 2011

Hora do Vitinho (103)

Já não postava um Vitinho há bastante tempo, verdade seja dita não andado para músicas de embalar, ou pelo menos não tenho encontrado nenhuma que considere ser um bom Vitinho.
Mas há bocado quando fui sintonizar o rádio da minha mãe, dei por mim a pensar "olha que belo Vitinho que estou a ouvir!!Finalmente tenho um Vitinho!!!"

E segundo me parece estes senhores têm uns bons Vitinhos.


Otelo

Otelo Saraiva de Carvalho passou-se, saltou-lhe o parafuso, tem o Tico e Teco em curto circuito, pelo menos é esta a minha opinião.
Otelo Saraiva de Carvalho está muito afrontado por o Governo ir "atacar" os direitos dos militares, não gosta de ver militares fardados, mas acha que podem fazer um golpe militar por estarem a perder os seus direitos.E ainda afirma que bastam 800 militares para o fazer, e que a coisa é mais fácil agora do que em 1974 por existirem menos quartéis.
Mas se o Governo ataca os direitos do comum cidadão, porque é que não há-de atacar os dos militares??Afinal de contas trabalham para EP pá!!!Essa é que é essa.
Otelo Saraiva de Carvalho está a querer atiçar ódios e forças que estão bem é quietinhos e sossegaditos. Deixe-se lá estar em casa a polir as medalhas e as suas armas e não venha massacrar a malta.
Otelo Saraiva de Carvalho está a querer um bocadinho de sangue pelos direitos dos militares não pelos direitos da população em geral.
Otelo Saraiva de Carvalho portou-se muito mal no pós 25 de Abril, passou ordens de prisão em branco (não só li, como me foi contado).
Otelo Saraiva de Carvalho está a querer sonhar outra vez com uma Presidência da República ao seu jeito.
Otelo Saraiva de Carvalho provavelmente acha que o "sonho comanda a vida", mas neste caso está a sonhar de mais.
Faça o favor de descer à terra e deixe de puxar o lustro às medalhas, condecorações e armas, porque o 25 de Abril de 2012 ainda está longe!!!!

Confissão

Aos quase 31 anos, já devia ser uma senhora e ter-me deixado de fitas. Mas existem coisas que me ultrapassam, e que nunca irão mudar.É uma fita de miúdos, porque basicamente só fazemos estas birras enquanto crianças, e chegando à vida adulta a coisa passa. Mas a verdade é que comigo a coisa passa mas não passa, adapta-se ao facto de ser adulta, mas ficam sempre uns laivos da criança.
De que estarei eu a falar???
Da minha relação com os vegetais....como uma criança que se preze a minha pessoa quase que faz birras para comer couves (por couves entenda-se praticamente tudo o que seja legumes com excepção para feijões, cenouras, agriões). Por ter esta péssima relação com "coisas verdes" (alho e cebola incluídos), enquanto criança cheguei a levar umas boas palmadas por não comer sopa (e não comia), cedendo apenas quando a minha avó do Alentejo me fazia a "sopa dos olhos bonitos". Comia de bom grado a sopa dos olhos bonitos porque me diziam que ia ficar com olhos bonitos.Quanto ás restantes sopas, tolerava somente caldo verde porque tinha o chouriço.Ainda hoje a única sopa com couves que como é mesmo o caldo verde.
Quanto às restantes sopas, à data de hoje sou uma criança autêntica: só como a sopa se estiver toda, mesmo toda passada, em creme.Se não estiver em creme, é garantido que ponho todas as couves de parte e que como o caldo completamente a contragosto, a torcer o nariz como as criancinhas fazem. E este foi um grande avanço.Em miuda só o facto de ver a bela da couve a "boiar" no pratito de sopa era suficiente para eu praticamente fugir da mesa, agora já como os belos dos vegetais, mas sempre bem passaditos.
Em contraponto, adoro uma boa sopa da pedra, e semelhantes.

Esquisita não????Muito esquisita!!Sou tão esquisita com estas coisas que costumo dizer que no dia em comer alguma destas "couves" de bom grado é porque estarei grávida!!
Já devia ter idade para ter juízo mas a sopa "é uma cena que a mim não me assiste."


Causas


Já aqui disse que tenho o hábito de tomar as dores dos outros como se fossem minhas. Tanto é uma qualidade, como um defeito, como também não é defeito mas feitio. E neste momento dói-me a alma por saber que amanhã uma amiga minha vai para tribunal lutar pela tutela de um dos filhos que lhe querem tirar. E querem tirar porquê??Será a minha amiga uma má mãe?Uma mãe que maltrata e negligencia os filhos?Que não lhes dá amor e carinho?Não, nada disso, eu já a vi com os filhos e nada disso se passa. 
"Então se a família é disfuncional, não estarás a fazer um raciocinio errado Inês?As crianças não estarão melhor com outra pessoa?" Não, não irão estar. A luta pela tutela não é pelas duas crianças, mas apenas pela filha. A avó da criança quer a menina para a tratar da mesma forma como tratou a mãe, quer tirar a infância que a mãe ainda tenta dar à criança.
"Mas tens a certeza Inês??A avó quer a criança para a explorar e tratar mal?"
A avó que quer a tutela da menina, em Agosto deste ano expulsou a filha e os netos de casa, com o argumento de que eles estavam a "ocupar" espaço, tendo contudo dito ao tribunal que lhes garantia um tecto até ao final de Outubro deste ano. Contudo a meio de Agosto, mandou-os embora e ainda disse aos netos que arrumassem as coisinhas deles. A menina tem 6 anos, o menino tem 3 anos. São crianças com uma mãe que faz das tripas coração para lhes dar tudo o que precisam, não grandes luxos, mas o básico e o essencial para estarem bem. A mãe das crianças no Verão trabalhou dias a fio para ganhar o suficiente que lhe permitisse levar dinheiro para casa, para alimentar as crianças e ainda ajudar a mãe que a explorou e que vivia com alguém muito mais novo do que a filha. Felizmente, ainda existem pessoas boas neste mundo, e a minha amiga foi acolhida por uma senhora que lhe deu tecto, uma casa, enquanto a minha amiga não se consegue endireitar o suficiente para arranjar um cantinho onde possa estar com as crianças e lhes possa dar a infância a que ainda têm direito.
A minha amiga vai amanhã a tribunal lutar por algo que é um direito adquirido. Por uma filha que não merece que lhe seja retirada por uma avó que quer apenas satisfazer caprichos, que não se compadeceu e não se compadece dos netos. A minha amiga luta por dar uma volta de 180 graus à vida dela, luta por ela e pelos filhos.

terça-feira, novembro 08, 2011

Postais

O anúncio propaga-se pelo blogger e também pelo facebook.
Eu confesso que acho a ideia fantástica e que tive pena de não a ter "apanhado" a tempo no ano passado.
Mas este ano vou participar no Polar Postcrossing.




Teorias

Quer-se dizer que no dia em que passa um asteróide ao nosso "lado", não existem teorias do fim do mundo???Está mal, muito mal.Então estamos em Novembro de 2011, um mês capicua e um ano capicua, e não há ninguém a dizer que o mundo vai acabar, que vem aí o dia do Juízo Final e que vamos todos pagar pelos nossos pecados???
Vendo bem as coisas, já tivemo hoje 4 capicuas juntas: mês 11, ano 11, 11 horas, 11 minutos e ainda se arranjam 11 segundos (passou a 5 capicuas). E nada!!!Nem um vídeo, nem um relato, nem um discurso, nada de nada. E hoje era um bom dia para isso, oh se era.
Estou triste com os senhores das teorias do fim do mundo. Não arranjaram nenhuma para hoje.
Será que se estão a preparar para 6ª feira???


 

segunda-feira, novembro 07, 2011

Duetos Improváveis

Os duetos improváveis da Optimus são uma campanha de marketing genial. Pega-se numa música bem antiga e  relativamente conhecida, e dá-se uma nova roupagem. Funde-se fado e hevy metal, rap e avô cantigas, entre outros estilos musicais. À partida o que não teria sentido musical de repente ganha-o. Para além de ser uma campanha muito bem conseguida e de pôr meio mundo a cantar "one, two, three, four, can I have a little more.....", juntar Rui Reininho e Quim Barreiros num dueto muito muito improvável, é para mim genial, principalmente quando inclui o acórdeão e uns ferrinhos e no fim um bocadinho de cantar ao desafio.
Para mim está muito bem conseguido, porque um dueto destes é completamente improvável. Basicamente, quem é que iria se lembrar de juntar Rui Reininho e Quim Barreiros a cantar uma música dos Beatles???


One, two, three, four,
Can I have a little more,
Five, six, seven, eight, nine, ten,
I love you.
A, B, C, D,
Can I bring my friend to tea,
E, F, G, H, I, J,
I love you.
Bom bom bom bom-pa bom
Sail the ship bom-pa bom
Chop the tree bom-pa bom
Skip the rope bom-pa bom
Look at me.
All together now, all together now,
All together now, all together now,
Black, white, green, red,
Can I take my friend to bed,
Pink, brown, yellow, orange, and blue,
I love you.
All together now, all together now,
All together now, all together now,
Bom bom bom bom-pa bom
Sail the ship bom-pa bom
Chop the tree bom-pa bom
Skip the rope bom-pa bom
Look at me.
All together now, all together now,
All together now, all together now,
All together now, all together now, all together now,
All together now, all together now,
All together now!

sábado, novembro 05, 2011

Tempo

Esperar que me seja dedicado um minuto do dia será pedir muito?
Vou reflectir sobre a questão, mais uma vez.

sexta-feira, novembro 04, 2011

Dou

Palavras para quê????
Eis um grande aproveitanço da nossa boa vontade e do nosso espírito solidário.
Ainda bem que o senhor tem um ego enorme e conseguiu que a plataforma dou.pt tivesse uma projecção enorme. Se não tivesse tido, esta notícia não teria vindo a público.



Roubado

Este texto foi roubado com toda a lata do facebook.
Soberbo, para mim é simplesmente soberbo.


Quando damos as mãos, somos um barco feito de oceano, a agitar-se sobre as ondas, mas ancorado ao oceano pelo próprio oceano. Pode estar toda a espécie de tempo, o céu pode estar limpo, verão e vozes de crianças, o céu pode segurar nuvens e chumbo, nevoeiro ou madrugada, pode ser de noite, mas, sempre que damos as mãos, transformamo-nos na mesma matéria do mundo. Se preferires uma imagem da terra, somos árvores velhas, os ramos a crescerem muito lentamente, a madeira viva, a seiva. Para as árvores, a terra faz todo o sentido. De certeza que as árvores acreditam que são feitas de terra.

Por isto e por mais do que isto, tu estás aí e eu, aqui, também estou aí. Existimos no mesmo sítio sem esforço. Aquilo que somos mistura-se. Os nossos corpos só podem ser vistos pelos nossos olhos. Os outros olham para os nossos corpos com a mesma falta de verdade com que os espelhos nos reflectem. Tu és aquilo que sei sobre a ternura. Tu és tudo aquilo que sei. Mesmo quando não estavas lá, mesmo quando eu não estava lá, aprendíamos o suficiente para o instante em que nos encontrámos.

Aquilo que existe dentro de mim e dentro de ti, existe também à nossa volta quando estamos juntos. E agora estamos sempre juntos. O meu rosto e o teu rosto, fotografados imperfeitamente, são moldados pelas noites metafóricas e pelas manhãs metafóricas. Talvez outras pessoas chamem entendimento a essa certeza, mas eu e tu não sabemos se existem outras pessoas no mundo. Eu e tu declarámos o fim de todas as fronteiras e inseparámo-nos. Agora, somos uma única rocha, uma única montanha, somos uma gota que cai eternamente do céu, somos um fruto, somos uma casa, um mundo completo. Existem guerras dentro do nosso corpo, existem séculos e dinastias, existe toda uma história que pode ser contada sob múltiplas perspectivas, analisada e narrada em volumes de bibliotecas infinitas. Existem expedições arqueológicas dentro do nosso corpo, procuram e encontram restos de civilizações antigas, pirâmides de faraós, cidades inteiras cobertas pela lava de vulcões extintos. Existem aviões que levantam voo e aterram nos aeroportos interiores do nosso corpo, populações que emigram, êxodos de multidões famintas. E existem momentos despercebidos, uma criança que nasce, um velho que morre. Dentro de nós, existe tudo aquilo que existe em simultâneo em todas as partes.

Questiono os gestos mais simples, escrever este texto, tentar dizer aquilo que foge às palavras e que, no entanto, precisa delas para existir com a forma de palavras. Mas eu questiono, pergunto-me, será que são necessárias as palavras? Eu sei que entendes o que não sei dizer. Repito: eu sei que entendes o que não sei dizer. Essa certeza é feita de vento. Eu e tu somos esse vento. Não apenas um pedaço do vento dentro do vento, somos o vento todo.
    Escuta,
    ouve.
    Amor.
    Amor.

José Luís Peixoto, in 'Abraço'
© Brainstorming
Maira Gall