sábado, dezembro 31, 2011

Feliz ano novo

Desejo-vos um Feliz 2012!!!!


quinta-feira, dezembro 29, 2011

Balanço



Eis a altura de me balançar e de me debruçar sobre o ano que está a acabar.
Estive a olhar para o meu "balanço" do ano passado, e previsões para este ano,e devo dizer que até me portei bem.
Mas o que não consegui prever de modo algum, nem fazia intenções de tal era de deixar alguém entrar na minha vidinha, e deixar partilhá-la, e querer que o outro lado da partilha também o faça. Isto garanto e afianço que não fazia qualquer intenção de encontrar a "metade da laranja" (se posso chamar). Eis a prova na minha pessoa de que coisas boas acontecem quando menos esperamos.

PS: gostei do site de onde retirei a imagem.Eu que sou uma esquisita com estas coisas, estou contente da vida com este meu achado.Para acederem ao site, basta clicarem na imagem.

quarta-feira, dezembro 28, 2011

Zeitgeist 2011

Apenas isto:
A miúda com uma das piores vozes que já ouvi, fanhosa como tudo, que do alto dos seus 13 anos diz qualquer coisa como a 6ª feira é o de um fim-de-semana em que avizinha a da Puta da Loucura, foi a pesquisa em ascensão mais rápida deste ano????
Está tudo louco...


Sobre o PPC




Recebi um postal lindo, fantástico e maravilhoso.
Um postal simples mas com brilho, um postal da UNICEF.
Um postal com palavras que me tocaram cá bem no fundo.
Um postal que me deixou com um brilho nos olhos, pela sinceridade que pude captar das palavras de alguém que está de outro lado, que não nunca me viu, mas que me leu, e me soube ler muito bem.
Muito, muito obrigada Mary.
Adorei do fundo do coração as tuas palavras.

terça-feira, dezembro 27, 2011

Alguém

Alguém me sabe explicar como é que eu ponho a porcaria do fundo de uma imagem em formato png transparente???
A minha pessoa está farta de tentar e não é capaz de fazer uma coisa que me parece ser estupidamente básica!!!

Template

O meu objectivo desta tarde, vai ser colocar o "logo" do meu estabelecimento blogosférico, bem como a sua definição, e tentar aproveitar algumas coisas do template original que adoro,adoro,adoro.
Também vou tentar encontrar a maneira de "alargar" o espaço dos posts (esticar/alargar a coisa, se me faço entender).
Se sou web designer???Longe, muito muito longe disso, gosto apenas de me entreter, e de brincar com estas coisas.Vamos ver no que vai dar.
Se correr como eu quero,tudo muito muito muito bem.Se não correr como eu quero tudo bem na mesma.
E a banda sonora para me acompanhar nesta "aventura" é nada mais nada menos do que esta:

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Inicio de balanço

A coca-cola no seu melhor, com o coro de Santo Amaro de Oeiras.
Afinal por cada dia de chuva,temos dois dias de sol.
E porque não acreditar???

sábado, dezembro 24, 2011

Não é uma canção de Natal...

Não é uma canção de Natal (pelo menos das típicas), mas para mim é perfeita.
Boas festas para todos.



quarta-feira, dezembro 21, 2011

Ainda o gajo

Quando fiz o post Gajo e Gaja, apercebi-me que a malta gosta dos desfiles da VS, achou a cena do gajo e gaja linda, gostam dos Maroon 5 e apreciam o Adam Levine. E eu subscrevo por inteiro. E subscrevo tanto, tanto, tanto que não tenho vergonha em dizer que "me babo" a ver este clip, que pela minha menta passam pensamentos como "Quero um Adam para mim", "Ai o que te fazia", "Ai que se olhar dá cabo de mim".
E aqui não para variar o moço está rodeado de umas moças com bom ar.
O clip já tem 4 anitos mas......não há mas nem mas.





E o clip com a  Rihanna???





Ruivo

Eu estava convencida de que o concerto em Budapeste teria sido o último do Ruivo,quando encontro um ainda melhor, fantástico, lindo e maravilhoso, na casa da Opera em Sidney.E tem cd e dvd.
Oh para mim toda contente, a ir pôr o ruivo aqui em casa para eu ver e ouvir.
Sou só eu, ou por ventura existe mais algum que gosta do toque de samba que põem no fairground??
Dá-lhe um groove que eu gosto muito, um je ne sais quio que me faz bater o pé e abanicar.




segunda-feira, dezembro 19, 2011

No fim-de-semana

Neste Sábado faleceu Václav Havel, figura de Revolução de Veludo, opositor de regime comunista da antiga República Checa, ex-presidente Checoslovaquia e da República Checa signatário da Carta 77.

Neste Domingo bateu as botas Kim Jong-Il,fundador  da ideologia Juche um grande filho da mãe de um ditador comunista, déspota, facínora.


Para aquecer/Momento insano do dia (82)

'Bora dar um pezinho de dança para aquecer???
Siga para o baile!!

domingo, dezembro 18, 2011

Gajo e gaja

Este gajo e esta gaja parece-me que se gostam, e que se gostam muito, e que gostam de estar um com o outro, e de andar um com o outro.
Parece-me que são um casal de gajos/as bem orgulhosos um do outro.

E não é bonito mostrar que ao mundo que se gosta???



sábado, dezembro 17, 2011

That's all

Em Janeiro, vou ser mais um número na taxa de desemprego nacional.
Por pouco afiança a entidade patronal (nunca faltaram à palavra).
Por pouco tempo espero eu.

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Gaga



Ao ler o post da Hysteria* resolvi debruçar-me sobre o assunto.
Eu sou gaga. Naturalmente gaga.Sou uma gaga genética, não apanhei nenhum susto que me deixasse gaga. Não gaguejo quando canto, mas também não acho que cante bem, ou que saiba cantar.
Não sou uma gaga muito gaga ou muito engasgada (como eu gosto de dizer), mas sou o suficiente para poder dedicar um post à gaguez.Não digo os R's quando estão no meio de uma palavra, e o L's também não.Comigo são um bocado atravancados.
Quando estou nervosa é um festa, porque língua e cérebro não estão sincronizados devidamente e há sempre um que quer acelerar mais que o outro.
Os gagos são discriminados na sociedade.É uma discriminação "mais leve", do que as habituais, porque enquanto não abrimos a boca está tudo bem, o problema está quando começamos a falar. Não sentimos o olhar de desprezo ou de ansiedade nos primeiros segundos de contacto visual, mas sentimo-lo nos primeiros minutos, quando sentimos a ansiedade e o embraço do outro lado, da pessoa que não é gaga e não sabe como reagir perante um gago.
Nota-se um olhar de "mauuuuu,é gaga", ouve-se "você é um bocadito gaga não é?" "sabe que a função exige contacto com o público, fluência na comunicação.
E isto custa e dói, saber-se que somos discriminados não em função de raça ou de corpo mas em função do que somos como pessoa. Nós gagos sofremos e percebemos bem o que é ser discriminado num meio social.

O site da Associação Portuguesa de Gagos, tem disponível um artigo chamado Terapia da gaguez publicado no boletim do Hospital Pulido Valente, que exemplifica bem o que se passa com os gagos.

(...)Raramente dizem que gaguejam. Têm um problema de fala. Raramente falam sobre o assunto e tentam aparentar, muitas vezes, uma certa tranquilidade em relação ao problema. (...)
 Em entrevistas de emprego na maioria das vezes esperei sempre que o assunto fosse abordado. Só o abordei por iniciativa própria quando via que a pessoa estava com receio de o fazer.
(...) Fazem tudo para que não se veja e para que não aconteça. Tudo, pode significar não falar, mudar de passeio para não saudar um vizinho. O gago arrisca-se muitas vezes a ser considerado mal educado ou tonto.   
É verdade verdadinha.Se me sinto nervosa, logo sei que estou mais gaga, se estou mais gaga provavelmente vou engasgar-me a dizer bom dia.
 (...)Têm sempre esperança que dessa vez não vão gaguejar. Por vezes não gaguejam. (...) Fogem às palavras e letras em que gaguejam mais. Esta atitude muitas vezes leva a que o sentido do discurso não corresponda  exactamente ao que tencionavam dizer. Nesta situação o gago fica com a frustração de não ter dito o que queria ou obriga-se a reformular passando novamente pelo suplício de falar. (...)
São muitas as vezes que digo mentalmente "weeeeee correu bem". Outras tantas em vez de dizer A + B + C, opto por dizer C + B + A
(...)  Pedir uma cerveja quando se pretende um café ou comprar um bilhete de comboio para uma estação diferente daquele a que se pretende chegar podem ser situações comuns no dia-a-dia de um gago.(...) Nestas situações o gago diz aquilo que for preciso para não gaguejar.(...)
Se sentir que vou gaguejar ao dizer a palavra café, opto por dizer bica e nunca o peço directamente ("é um café".) Digo "pode tirar-me por favor um café/uma bica?
(...)O gago perde muitas coisas na vida. Desiste de frequentar cursos por ser gago e vê-se impossibilitado de obter determinados empregos.Muitos gagos, pura e simplesmente, não falam ou falam muito menos do que se poderia imaginar (...)
E quando já se é tímido, como é o meu caso, ainda se perde mais.
(...)Um jovem que nos consultou referiu que um dos problemas graves com que se defrontava dizia respeito à impossibilidade de responder durante as aulas a qualquer pergunta feita para toda a turma. Sempre que queria responder pensava que iria gaguejar e enquanto hesitava outro colega adiantava-se e respondia. É evidente que seria inútil tentar convencer o professor, depois da resposta dada, que sabia responder e só não o tinha feito por ser gago.(...)
Aconteceu-me diversas vezes quando estava a estudar. Os professores diziam-me muitas vezes que não podia ter nota tal, porque não falava nas aulas. Sempre tive vontade de responder "Eu quero falar e sei as respostas.Mas como sou gaga e quero apresentar uma sequência lógica de palavras que me permita responder sem me engasgar muito, perco tempo e alguém se chega à frente.E não posso dizer algo como espere aí, deixe-me fazer o raciocínio".
(...)O gago malabarista Temos que reconhecer aos gagos uma grande habilidade para falar. O gago reconhece que existem palavras ou letras em que gagueja mais tenta evitar as palavras usando sinónimos e introduz fonemas parasitas para facilitar a produção do discurso.Se nem sempre é fácil exprimirmos com exactidão aquilo que desejamos, podemos imaginar a “ginástica” que o gago faz para dizer aquilo que quer. Ora, dadas estas circunstâncias o gago apercebe-se perfeitamente do resultado desastroso deste género de tentativas para controlar a gaguez.Consciente da pouca eficácia da solução encontrada persiste na sua aplicação, apenas por não encontrar outra melhor.(...)
Nem mais nem menos. Por vezes eu executo grandes  malabarismos. Para quê?? Para nada.
(...)Os gagos detectam nos seus interlocutores várias respostas à sua gaguez, mas as que referem como mais perturbantes, são a pena, o gozo, a ansiedade e o desprezo.(...)
 Irrita-me solenemente que acabem uma palavra ou uma frase por mim. Que digam "ela é um bocadinho gaga", que digam "fala com calma para gaguejares menos".
(...)Num grupo de conversa o gago está normalmente impedido de participar quer por limitação própria quer porque, tratando-se de uma conversa animada é difícil tomar a palavra para qualquer elemento do grupo. São situações em que frequentemente alguém diz com insistência “posso falar?” ou “agora falo eu!”. Estes pedidos de lugar na comunicação quase nunca são atendidos. É preciso impor a fala. Se o gago perguntar “posso gaguejar?” verificamos que esta inocente pergunta tem o dom de calar, literalmente, os outros elementos do grupo.(...)
Por norma quando quero falar e não me deixam, digo sempre "posso falar??" ou " eu sei que sou gaga, mas importam-se que eu fale?" e ainda "eu sei que estou nervosa, portanto isto não vai sair à primeira."
Mas vou ponderar seriamente no "posso gaguejar?"

quinta-feira, dezembro 15, 2011

Foda-se

Nem para trás nem para frente.
Foda-se.
Apenas isto.
Foda-se.

terça-feira, dezembro 13, 2011

Hora do Vitinho (108)

Por que é que fodemos o amor? Porque não resistimos. É do mal que nos faz. Parece estar mesmo a pedir. De resto, ninguém suporta viver um amor que não esteja pelo menos parcialmente fodido. Tem que haver escombros. Tem de haver esperança. Tem de haver progresso para pior e desejo de regresso a um tempo mais feliz. Um amor só um bocado fodido pode ser a coisa mais bonita deste mundo.
Miguel Esteves Cardoso - O amor é fodido

Sobre o suícidio




Apenas isto.
E pouco mais:
Não nos conhecemos a nós mesmos e não conhecemos os outros. Não sabemos se a pessoa que mostra um ar de felicidade suprema realmente o é.
Não sabemos o que prepassa na cabeça de muitas pessoas que aparentemente têm tudo para serem felizes, ou para caminharem para essa felicidade.
Não sabemos que factores determinam o acto de acabar com a própria vida.
Falamos e opinamos dizendo "Ah e tal, não entendo tinha tudo para ser feliz", ou " realmente tinha uma vida um bocado infeliz mas deixou a família, a esposa, o marido, o filho", ou "não tinha motivos nenhuns para isso".
Não sabemos o que leva alguém a cometer este acto, sabemos contudo que tem muito sofrimento no assunto.Sofrimento da pessoa que o faz, sofrimento da família de quem faz

Há cerca de dois anos pensei em cometer suícidio, em acabar com tudo, mandar tudo ao ar, esquecer,fazer a verdadeira apologia do "quero que metade do mundo se mate, e que a outra metade se foda."
Desistir de mim, dos outros, de tudo. Desaparecer deste mundo de uma vez por todas, acabar pura e simplesmente. E lembro-me perfeitamente que em Dezembro de 2009 (sensivelmente por estes dias), olhei para uma caixa de Diazepam novinha em folha e pensei "porque não"? Agarrei na caixa, abri-a e pensei outra vez "e porque não?Estou farta da minha vida, estou farta de sofrer, estou farta de viver, estou farta de ver sofrimento, não aguento mais isto, não consigo fazer o que me prupôs", e mais e mais e mais. E fiquei muito tempo a olhar para os comprimidos, com as lágrimas a cair pelo acto de egoísmo que ia cometer, mas com uma vontade tão grande de o fazer e de acabar comigo, de ir embora deste mundo.
Mas não o fiz, não sei se desisti de o fazer, sei que não o fiz por causa dos meus pais e muito principalmente por causa da minha mãe.
Se o fizesse estava a cometer como eu digo um acto de egoísmo, a pensar somente em mim e a esquecer os outros. Os meus pais e neste caso particular a minha mãe não mereciam o meu acto de egoísmo.Então arrumei a caixa e adormeci a chorar, a questionar-me do porquê, do porquê de tudo.  

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Direitos e deveres


O ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, diz que "no Rendimento Social de Inserção (RSI) devemos separar "o trigo do joio" porque os beneficiários do subsídio têm não só direitos mas também deveres, nomeadamente o de procurar trabalho de forma ativa e de desempenhar 'trabalho socialmente necessário', quando têm idade e capacidade para o fazer. Em declarações à Agência Lusa o ministro sublinha que é preciso que as pessoas tenham consciência destes deveres e que é por isso que os beneficiários vão passar a assinar um 'contrato de inserção', garantindo que quem precisa é que recebe o subsídio.



Apesar de não ter gostado mesmo nada da troca da vespa pelo Audi, concordo a 110% com esta decisão.
Se uma pessoa desempregada tem que andar na procura activa de emprego, e tem que a determinada altura aceitar o que lhe é dado sem reclamar, quem recebe o Rendimento Social de Inserção pode e deve-o fazer. E já deviam ter tomado esta iniciativa há muito tempo. Com certeza que a taxa de desemprego não seria tão elevado e nem o Estado teria os cofres tão vazios.


Babies/Momento insano do dia (81)

Se vêm lançados a este post e estão a pensar que estou grávida, à espera de um baby, desenganem-se. Podem dar meia volta e ir à vossa vida. Se estão a questionar-se o porquê deste post, fiquem. Se pensam que vou dizer que gosto muito de bebés e de fraldas sujas, também podem dar meia volta (mas gosto bebés, que fique já aqui esclarecido).
Este jeitoso que está aqui em baixo é o Ooga chaka baby, um dos primeiros videos virais dos anos 90 (segundo li), o primórido dos bébes que gostam de dar um pezinho de dança, o bebé dos bebés dançarinos, e uma das minhas alucinações preferidas da Ally Macbeal.




Se por acaso se estão a perguntar "quem é canta este misto de dança tribal com mais qualquer coisa estranha", eu respondo. A música chama-se Hooked on a feeling e é de 1973.Mas encontrei uma versão
 muito melhor que penso que é a da Ally, cantada pelo David Hasselhoff.





Não sei o que será mais insano: ver um bebé a dançar ou o David Hasselhoff. a cantar. Ou estão ambos no mesmo patamar. Mas insano é de certeza ter na cabeça as seguintes palavras: Ooga chaka ooga chaka ooga chaka 

Happiness

 

sexta-feira, dezembro 09, 2011

Postais

Ora bem, vou só ali comprar os postais de natal para a Pólo Norte e para o meu secret friend. Só espero encontrar alguma coisa que me agrade, que sejam alusivos à época mas que fujam ao comum. O comum do Pai Natal, das Renas, dos meninos em redor da árvore, a nova e bla bla bla, não são os postais que me apetece comprar e enviar.
Vamos ver se não me sai o tiro pela culatra.

terça-feira, dezembro 06, 2011

Homens

Descobri um segredo há muito bem guardado.
O que os homens fazem na casa de banho....depois de fazerem o seu xixi ou o cocó, não conversam como muitas de nós, nem retocam a maquilhagem, ou se penteiam.
Eles dançam "You're my first, my Last, my everything" de Barry White.


segunda-feira, dezembro 05, 2011

Árvores

Não sou mais que ninguém, e também faço o que disse neste post.
Há uma sensivelmente 10 anos que me recuso a fazer a árvore de natal. No ano passado, no estabelecimento hoteleiro, praticamente me recusei a dar palpites sobre se a dita devia ficar em sítio X ou em sítio Y.
Mas como o Natal é para as crianças, e eu tenho uma espécie de criança grande em casa, ontem decidi-me a fazer a árvore. Quando a minha "criança" ontem chegou a casa teceu um sorriso rasgado quando viu a dita montada e enfeitada, ficou ainda mais contente por colocar a estrela no topo da árvore, e ainda foi à procura de algodão para colocar nos ramos da dita.
Quanto à montagem e enfeitamento da árvore, para variar não ficou completamente ao meu gosto, tive até pena em não ter fitas mais grossas.
Quanto à àrvore, parece-me uma árvore caquética, e eu estive imenso tempo a tentar pôr os ramos da dita direitinhos.

sexta-feira, dezembro 02, 2011

Quase como os porcos


E nas férias em que é suposto manter-se o peso, ou engordar eu emagreço.
Raios partam o raio de metabolismo....
Vou voltar para a engorda, quase como os porcos, que são alimentados à viva força para engordarem, ficarem rechochudos e anafadinhos, como são bonitos de se ver.


quinta-feira, dezembro 01, 2011

1 de Dezembro


  • Portugal é o terceiro país Europeu com maior número de pessoas infectadas com o vírus do HIV.
  • Em 2010, o número de infectados em todo o mundo é 17% superior ao ano de 2001.

 

Mês 12

E pronto...entrámos no mês 12, no mês de Dezembro, no último mês do ano. Há quem adore, há quem odeie, há quem vá do ódio ao amor como quem muda de roupa.
O Dezembro é um mês que não aprecio particularmente.Não quer dizer que odeie, porque o meu pai faz anos neste mês, e tenho boas recordações dos natais de infãncia.
Mas o Dezembro é para mim é um mês cínico, ou um mês que leva as pessoas a serem cínicas. É verdade. Passamos os restantes 11 meses a falar mal, a criticar, a sermos avarentos, a não fazermos isto, aquilo, ou o outro porque não queremos, ou não gostamos. E chegamos a Dezembro eis que: toda a gente ajuda, toda a gente é solidária, são jantares e almoços de Natal nos empregos, em que todos trocam prendas e esboçam sorrisos, são reuniões de família em que muitos se esforçam para terem um sorriso na cara que não seja muito amarelo, são as prendas que são compradas e oferecidas porque tem que ser, e porque não se pode ficar mal na fotografia. São os natais nos hospitais e as galas de solidariedade em que todos damos, porque é Dezembro, é natal e "re béu béu béu pardais ao ninho", e mais do mesmo.
O mês 12 é provavelmente o mês mais cínico do ano, ou o mês em que nos tornamos mais cínicos. Todos o somos um bocadinho nesta altura, não adianta negar.
Todos neste mês praticamos o socialmente correcto, em que fazemos aquilo que não queremos e não gostamos só para agradar, e os outros fazem o mesmo.


© Brainstorming
Maira Gall