O fim do mundo e as crianças

sexta-feira, janeiro 06, 2012


 Sim estamos em 2012, o dito ano em que mundo se fina e que a malta vai desta para melhor.Numa pesquisa filtrada no google surgem no espaço de uma semana cerca de 23.100.000. resultados.Coisa pouca e ainda por cima estamos em ano bissexto.
Mas o mais interessante é ver a perspectiva do fim do mundo pelos olhos de um jovem, nos ido ano 2000 (outro ano do fim do mundo, e também bissexto).


... Mas por outro lado, há que salientar que eu com 11 anos fiquei traumatizado com o fim do mundo.
Para quem me lê há pouco tempo e não sabe, a minha avó paterna é testemunha de Jeová. Isto só para vos situar.
Ora bem, a senhora andou 2 anos a levar-me ás congregações, a assistir às celebrações, a ouvir leituras da bíblia e tal. Aquilo a dada altura já me estava a começar a ficar entranhado na cabeça (o método da imersão é o melhor para converter uma criança) e uma certa noite de verão, a minha avó resolveu falar do armagedão. Em 2001 as coisas não eram como agora, que qualquer bandalho vai ao google e se vê banhado com milhentas informações sobre tudo e mais alguma coisa. 
E pronto, a minha avó fez o favor de me dizer que o mundo ia ser destruído, e que íamos todos ao julgamento final, e que as pessoas que não pregassem a palavra do senhor, ou tivessem fé e yada yada yada – ou por outras palavras, que não fossem testemunhas de Jeová – morriam. E isso incluía os meus pais. Ora, por muito inteligente que uma criancinha seja, não deixa de ser uma criancinha, e ser portanto um bocado mais imbecil do que cresce (na maioria dos casos), e isso resultou numa noite de intensas insónias a rezar (Oh sim, eu já ia na fase em que já rezava até para ir ao WC) e a chorar porque pensava que os meus pais iam morrer porque não andavam de bíblia debaixo do braço a oferecer revistas aos transeuntes que não querem ser incomodados.
 Devo dizer que este post e esta citação em particular me fizeram dar gargalhadas em frente ao pc.

You Might Also Like

0 comentários