sexta-feira, março 30, 2012

Normal

Eu já tentei.....tentei bastantes vezes ser normal, mas prefiro ser "anormal", ser eu.Fazer o politicamente correcto. Mil vezes eu e a minha "anormalidade" normal, do que o tradicionalmente e dito normal. Não é só por ser "uma seca", mas de que nos serve tentar mudar o que somos e passarmos a ser normais se no fundo o nosso eu é anormal?
Sejam normais na nossa "anormalidade".

quinta-feira, março 29, 2012

Hora do Vitinho (115)



"Amor burguês

Havemos de engordar juntos.
Normalmente, toda a gente está demasiado preocupada em colocar a barra que diz "cliente seguinte", estão ansiosos, nervosos, têm medo que aquele que está à frente lhes leve os iogurtes, têm medo de pagar o fiambre daquele que está atrás. Enquanto não marcam essa divisão, não descansam. Depois, não descansam também, inventam outras maneiras de distrair-se. É por isso que poucos chegam a aperceber-se de que a verdadeira imagem do amor acontece na caixa do supermercado, naqueles minutos em que um está a pôr as compras no tapete rolante e, na outra ponta, o outro está a guardá-las nos sacos.
As canções e os poemas ignoram isto. Repetem campos, montanhas, praias, falésias, jardins, love, love, love, mas esse momento específico, na caixa do supermercado, tão justo e tão certo, é ignorado ostensivamente por todos os cantores e poetas românticos do mundo. Bem sei que há a crueza das lâmpadas fluorescentes, há o barulho das caixas registadoras, pim-pim-pim, há o barulho das moedas a caírem nas gavetas de plástico, há a musiquinha e os altifalantes: responsável da secção de produtos sazonais à caixa 12, responsável da secção de produtos sazonais à caixa 12; mas tudo isso, à volta, num plano secundário, só deveria servir para elevar mais ainda a grandeza nuclear desse momento.

É muito fácil confundir o banal com o precioso quando surgem simultâneos e quase sobrepostos. Essa é uma das mil razões que confirma a necessidade da experiência. Viver é muito diferente de ver viver. Ou seja, quando se está ao longe e se vê um casal na caixa do supermercado a dividir tarefas, há a possibilidade de se ser snob, crítico literário; quando se é parte desse casal, essa possibilidade não existe. Pelas mãos passam-nos as compras que escolhemos uma a uma e os instantes futuros que imaginámos durante essa escolha: quando estivermos a jantar, a tomar o pequeno-almoço, quando estivermos a pôr roupa suja na máquina, quando a outra pessoa estiver a lavar os dentes ou quando estivermos a lavar os dentes juntos, reflectidos pelo mesmo espelho, com a boca cheia de pasta de dentes, a comunicar por palavras de sílabas imperfeitas, como se tivéssemos uma deficiência na fala.
Ter alguém que saiba o pin do nosso cartão multibanco é um descanso na alma. Essa tranquilidade faz falta, abranda a velocidade do tempo para o nosso ritmo pessoal. É incompreensível que ninguém a cante.
As canções e os poemas ignoram tanto acerca do amor. Como se explica, por exemplo, que não falem dos serões a ver televisão no sofá? Não há explicação. O amor também é estar no sofá, tapados pela mesma manta, a ver séries más ou filmes maus. Talvez chova lá fora, talvez faça frio, não importa. O sofá é quentinho e fica mesmo à frente de um aparelho onde passam as séries e os filmes mais parvos que já se fizeram. Daqui a pouco começam as televendas, também servem.

Havemos de engordar juntos.
Estas situações de amor tornam-se claras, quase evidentes, depois de serem perdidas. Quando se teve e se perdeu, a falta de amor é atravessar sozinho os corredores do supermercado: um pão, um pacote de leite, uma embalagem de comida para aquecer no micro-ondas. Não é preciso carro ou cesto, não se justifica, carregam-se as compras nos braços. Depois, como não há vontade de voltar para a casa onde ninguém espera, procura-se durante muito tempo qualquer coisa que não se sabe o que é. Pelo caminho, vai-se comprando e chega-se à fila da caixa a equilibrar uma torre de formas aleatórias.
Quando se teve e se perdeu, a falta de amor é estar sozinho no sofá a mudar constantemente de canal, a ver cenas soltas de séries e filmes e, logo a seguir, a mudar de canal por não ter com quem comentá-las. Ou, pior ainda, é andar ao frio, atravessar a chuva, apenas porque se quer fugir daquele sofá.
E os amigos, quando sabem, não se surpreendem. Reagem como se soubessem desde sempre que tudo ia acabar assim. Ofendem a nossa memória.
Nós acreditávamos.
Havemos de engordar juntos, esse era o nosso sonho. Há alguns anos, depois de perder um sonho assim, pensaria que me restava continuar magro. Agora, neste tempo, acredito que me resta engordar sozinho."

José Luís Peixoto, in revista Visão (Janeiro, 2012)


Avó

Faz hoje três anos que fiquei sem a minha avó. Neste exacto momento, há três anos atrás eu já tinha recebido a notícia de que teria ficado sem a minha avó, e faz também três anos, em que terei tido a pior semana de toda a minha vida.
A minha avó, a minha velha gaiteira, tinha 80 anos com um sentido de humor apuradíssimo, acutilante, até um pouco bardajão. Calculo que não existam muitos netos que tenham tido avós que diziam: 
"olha foi ao Clube e vi o não sei das quantas ao balcão. Sim avó....viste e depois????Oh filha o não sei quantos tinha uma chouriça!!!Oh avó....uma chouriça??Mas que chouriça???Oh filha, o não sei quantos tinha as calças apertadas e via-se tudo!!!!Oh avó!!!És uma velha gaiteira!!E se te vêem a olhar???Não vêem nada porque eu olho de lado.E o outro que é tão alto, mas tão magro que é um pau de virar tripas???Não deve servir para nada!!!  
A minha dizia que no dia em que não pudesse falar que queria morrer, porque se não falasse morria. E era verdade. Mal acordava as pilhas estavam carregadas e começava  a falar. Falaava comigo, com a televisão, com os gatos e a cadela, o vizinho do lado, com quem via na rua, com toda a gente. 
Em dias como os de hoje tenha a certeza que ela iria querer falar com o Ministro das Finanças, e me ia estar a perguntar sobre quem é que anda a mexer neste tempo!! 
São os homens que lá estão na lua, naqueles aviões, que estão a mexer no tempo!!!
A minha avó foi mãe, avó, amiga, educadora, "deseducadora", porto de abrigo. O que sou hoje devo muito a ela. Assim como não esqueço as últimas palavras dela antes de a ver desaparecer no hospital de Leiria, tento cumprir ao máximo o que ela me pediu.
Toma conta da tua mãe, de ti e faz a tua vida. 
A minha avó batia-me para eu comer, ao mesmo tempo que me comprava bolachas de chocolate Tuchas,


Raio da cachopa que não come!!!Come Inês se não levas um estalo!   

e  me levava a passear dentro do carro de mão e fingia que ia num tractor,e eu dizia
mais rápido avó, mais rápido
ou punha-me em cima dos joelhos dela quando estava na cama sozinha e dizia:
Olha a macaquita hipópita!!!
E eu punha-me pé em cima dos joelhos dela  e pedia mais.
A minha avó tinha uma mentalidade avançada para a época, caçou-me as bebedeiras, mas nunca me as repreendeu. Dizia:
Ai tu ficas tão engraçada quando estás com os copos.
Quando eu fiz a minha benção das fitas, era vê-la orgulhosa ao ver as fitas que eu tinha, por ir assistir à missa, e a discussão pegada que foi para eu ter uma fita escrita por ela, com a letra dela.
Eu não quero escrever!!Eu dito e tu escreves para ficar bonito!!Não avó!!!Tu é que a vais escrever, com a tua letra é que a fita fica bonita!!Mas eu não quero!!Mas eu quero que sejas tu a escrever e vais escrevê-la!!  
E escreveu. Escreveu o seguinte:


Inês, desejo o teu bem na tua vida, e que os teus exames te corram bem e que alcances tudo o que desejas são os votos da tua avó Emília. E que sejas capaz de ultrapassar todas as coisas da tua vida e que a avó veja com muita saúde. Vi-te crescer na minha companhia desde pequenina e dar todos os teus passos na tua vida. Deus te dê muita sorte na tua vida e um dia arranjes um rapaz a teu gosto, e que te cases e sejas muito feliz com ele. São as minhas felicidades. Da tua avó Maria Emília muitos beijinhos e adeus.


O tempo passa e a saudade fica. A ferida vai sarando....
E ao mesmo tempo que me estão a escorrer as lágrimas sei que estas lágrimas são em parte pela falta que ainda me faz, mas também são lágrimas de alegria com um sorriso à mistura, por ter tido uma avó que era qualquer coisa de especial e de fantástico, e por saber que algures ela me está a ver,e sabe que eu tento fazer o melhor que sei. 

terça-feira, março 27, 2012

1000


Mil posts, com quase três anos de existência oficial, e dois anos (semi-oficial).

Como é que arranjei 999 posts, que justificam o estar a escrever este???

PS: Porra Jorge Jesus!!!!
Estuda as equipas em condições pá!!!! 

É tarde....

Alguém de há muito tempo, muito muito muito tempo atrás, há  algum tempo disse-me o seguinte: 


"Tenho saudades do teu sorriso...."

Esse tempo fica no seu tempo. No tempo do passado, das recordações, no tempo em que proclamava uso e deito fora.
Mas o tempo, esse tempo não volta atrás de maneira alguma. Esse tempo fica no seu tempo. 

No tempo das recordações e no tempo do não preciso de nada nem ninguém a não ser para usar e deitar fora, porque assim não magoo, nem sou magoada, no tempo antes que me façam eu já estou  a fazer. 

Sim, eu já fiz esta apologia, fui a independente das independências nas relações
Se me arrependo? Não, de maneira alguma. 
Se sofri? ´
Sofri. Sofre-se sempre, mesmo sendo independente a nível amoroso.

Se magoei? 
Magoei.

Se fui magoada? 
Também fui.

Se me vinguei? 
Desprezei.

Se chorei? 
Chorei...

Se baixei a cabeça? 
Não....

Se ri? 
Ri.

Se vivi? 
Vivi....

Consequências da minha estranha forma de vida?? 
O medo, a capa, o ser racional, o ser intuitiva e não o querer ser, e querer ao mesmo tempo,  o ter medo instinto e de o seguir ou não, o ser indecisa entre coração e razão, instinto e raciocínio.... 
 

Pode ser pouquinha mas é minha

Sou optimista com as coisas. Característica do signo, da minha pessoa, de algo, o facto é que consigo e sei ser optimista. E sei que este meu lado é útil para mim e para os outros. 
O dia hoje não correu bem? Amanhã vai correr. Se não for amanhã será no outro dia, ou depois do outro, mas  vai correr bem.
Quando acredito em algo, acredito e pronto. Quando o algo tem tudo para ser concretizável sou daquelas pessoas que afirma veemente para a outra ir em frente. Seja no que for. Mas em contraponto por vezes consigo ser uma realista que não lembra a ninguém, nem ao menino Jesus, que mede os prós e os contras. Consigo ser de um realismo quase levado ao extremo. 
E quando é levado ao extremo vem o medo, o receio, o e se...
E no meio do meu optimismo todo, de repente passa-me pela cabeça o e se...
E se não corre como se espera, e se não corre como queremos, e se dizem não, e se não acontece....e se demora....e se assim....e se assado....
A responsabilidade pode ser pouquinha mas é minha.....muito minha...e por vezes pesa. E por vezes vai-se o optimismo e pensa-se...
Não será muita areia para a tua camioneta Inês??? 
Não é de todo....(aqui entra-se no contra-senso da Inês), mas tem-se o receio, mas ao mesmo tempo a confiança...Tem-se tudo e não se tem nada... 

domingo, março 25, 2012

Saramago

Eu não fã assumida de Saramago me confesso: 

"O amor não resolve nada. O amor é uma coisa pessoal, e alimenta-se do respeito mútuo. Mas isto não transcende para o colectivo. Já andamos há dois mil anos a dizer isso de nos amarmos uns aos outros. E serviu de alguma coisa? Poderíamos mudar isso por respeitarmo-nos uns aos outros, para ver se assim tem maior eficácia. Porque o amor não é suficiente."

Gostei muito desta citação. Tem muita verdade dentro dela...
Afinal de que serve amarmo-nos, ou dizê-lo se não nos respeitamos...E não me refiro só nas relações, remeto para o lado mais social. 
De que serve amar se não há respeito? Tanto um como o outro são por demais importantes, deviam ser a base da nossa sociedade, e coexistirem mutuamente...
Mas por vezes, ou falha um, ou falha outro, ou falham os dois....  

sexta-feira, março 23, 2012

Porque gosto tanto de música???


Porque liberta dopamina, e a libertação de dopamina gera uma sensação de prazer.

O que se quer


O que se quer
Querer alguém, ou alguma coisa, é muito fácil. Mesmo assim, olhar e sentirmo-nos querer, sem pensar no que estamos a fazer, é uma coisa mais bonita do que se diz. Antes de vermos a pessoa, ou a coisa, não sabíamos que estávamos tão insatisfeitos. Porque não estávamos. Mas, de repente, vemo-la e assalta-nos a falta enorme que ela nos faz. Para não falar naquela que nos fez e para sempre há-de fazer. Como foi possível viver sem ela? Foi uma obscenidade. Querer é descobrir faltas secretas, ou inventá-las na magia do momento. Não há surpresa maior.O que é bonito no querer é sentirmo-nos subitamente incompletos sem a coisa que queremos. Quanto mais bela ela nos parece, mais feios nos sentimos. Parte da força da nossa vontade vem da força com que se sente que ela nunca poderia querer-nos como nós a queremos. Querer é sempre a humilhação sublime de quem quer. Por que razão não nos sentimos inteiros quando queremos? É porque a outra pessoa, sem querer, levou a parte melhor que havia em nós, aquela que nos faz mais falta. É a parte de nós que olha por nós e nos reconcilia connosco. Quanto mais queremos outra pessoa, menos nos queremos a nós...Querer é mais forte que desejar, pelo menos na nossa língua. Querer é querer ter, é ter de ter. Querer tem mesmo de ser. Na frase felicíssima que os Portugueses usam, "o que tem de ser tem muita força". Desejar tem menos. É condicional. Quem deseja, desejaria. Quem deseja, gostaria. Seria bom poder ter o que se deseja, mas o que se deseja não dá vontade de reter, se calhar porque são muitas as coisas que se desejam e não se pode ter todas ao mesmo tempo.Querer é querer ter e guardar, é uma vontade de propriedade; enquanto desejar é querer conhecer e gozar, é uma vontade de posse. O querer diminui-nos, mas o desejar não. Sabemos que somos completos quando desejamos - desejamos alguém de igual para igual. Quando queremos é diferente - queremos alguém com a inferioridade de quem se sente incapacitado diante de quem parece omnipotente. O desejo é democrático, mas o querer é fascista.O que desejamos, dava-nos jeito; o que queremos fez-nos mesmo falta. Mas tanto desejar como querer são muito fáceis. Ter, isto é, conseguir mesmo o que se quer é mais difícil. E reter o que se tem, guardando-o e continuando a querê-lo, tanto como se quis antes de se ter, é quase impossível. Há qualquer coisa que se passa entre o momento em que se quer e o momento em que se tem. O que é?"Cada pessoa, - dizia Oscar Wilde, - acaba por matar a coisa que ama". Mata-a, se calhar, quando sente que a tem completamente. (...)A verdade, triste, é que uma pessoa completa, a quem não falta nada, não é capaz de querer outra pessoa como deve ser. No momento em que se sente que tem o que quer, foi-lhe devolvida a parte que lhe fazia falta e passou a ter tudo em casa outra vez. Fica peneirenta, sente-se gente outra vez. É feliz, está satisfeita e deixou de ser inferior à sua maior necessidade. O ter destrói aquilo que o querer tinha de bonito. Uma necessidade ocupa mais o coração, durante mais tempo, que uma satisfação. Querer concentra a alma no que se quer, mas ter distrai-a. Nomeadamente, para outras coisas e outras pessoas que não se têm. (...)É bom que se continue a julgar que aquilo de que se precisa é exterior a nós. Só quem está voltado sobre si, piscando o olho ao umbigo, pode achar que tem tudo o que precisa. (...)Quando se quer realmente, dar-se-ia tudo por ter. A coisa ou a pessoa que se quer têm o valor imediato igual a todas as coisas e pessoas que já se têm. Trocavam-se todas as namoradas, ou todos os namorados, que já se namoraram, pelo namoro de uma única pessoa que se quer namorar. É esta a violência. É esta a injustiça. Mas é esta também a beleza. Quem aceitaria que um novo amor significasse apenas parte de uma vida? Não sendo a vida inteira, não sendo tudo o que importa, numa dada altura, num dado estado do coração, porque nos havíamos de ralar? (...)O querer é bonito porque, concentrando-se na coisa ou na pessoa que se quer, elimina o resto do mundo. O resto do mundo é uma entidade muito grande que tem graça e tem valor eliminar. Querer um homem em vez de todos os outros homens, uma mulher em vez de todas as outras mulheres é fazer a escolha mais impossível e bela. Acho que se pode ter tudo o que se quer de muitas pessoas ao mesmo tempo, mas que não se pode querer senão uma pessoa. Ter todas as pessoas não chega para nos satisfazer, mas basta querer só uma, e não a ter, para nos insatisfazer. É por isso que se tem de dar valor à vontade. Poder-se-á querer ter alguém, sem querer também ser querido por essa pessoa? Eu não sei.Como raramente temos o que queremos ter ou queremos bem ao que temos, é boa ideia dar uma ideia da atitude que se pretende. Em primeiro lugar, convém mentalizarmo-nos que querer é desejável só por si, pelo que querer significa. Quem tem tudo e não quer nada é como quem é amado por todos sem ser capaz de amar ninguém. Dizer e sentir "eu quero" é reconhecer, da maneira mais forte que pode haver, a existência de outra pessoa e de nós. Eu quero, logo existes. Eu quero-te, logo existo.Em segundo lugar, ter também não é tão bom como se diz. Ter alguém ocupa um espaço vital que às vezes é mais bonito deixar vazio. (...)Ter o que se quis não é tão bom como se diz, nem querer o que não se tem é assim tão mau. O segredo deve estar em conseguir continuar a querer, não deixando de ter. Ou, por outras palavras, o melhor é continuar a ser querido sem por isso deixar de ser tido. O que é que todos nós queremos, no fundo dos fundos? Queremos querer. Queremos ter. Queremos ser queridos. Queremos ser tidos. É o que nos vale: afinal queremos exactamente o que os outros querem. O problema é esse.»
Miguel Esteves Cardoso - Os meus problemas

quarta-feira, março 21, 2012

Destino

Todos temos o destino marcado, a sina feita, a vida escrita num livro. Até podemos pensar que é por nossa vontade que rasgamos as folhas desse livro, e que escrevemos um livro novo. 
Mas não. É o destino que nos impele a fazê-lo, nada mais do que isso.
Podemos até ter o livre-arbítrio, ou achar que o temos, ter o poder de decidir entre A e B, X e Z, mas não. Tudo é decidido pelo destino, que já está escrito, e que não mudamos de maneira alguma, mas achamos que o fazemos. Está tudo escrito no nosso livro, mesmo nesse que supostamente pensamos estar a escrever de novo.
E eu cada vez mais acredito nele, no destino. 
O meu livro foi escrito, é escrito e será escrito porque assim tem que ser, não por minha vontade.

Destino - Salvador Dali

sexta-feira, março 16, 2012

Meteorologia

Ponto de situação: na minha parte da Zona Oeste não chove. O tempo está estranho, mas chuva nem vê-la.
E pelos vossos cantos, já chove, já choveu, ou o São Pedro está de greve??

sábado, março 10, 2012

Voltas no túmulo

Aqui a agarrada a música tem a tv no VH1 que está a dar o Boogie Night. Agora estou a ouvir a Cindy Lauper a cantar "girl's just wanna have fun", mas há uns minutos atrás fiquei boquiaberta a ver e a ouvir isto:





Eu fiquei parva, mas o Jim Morrison deve dar 1001 voltas no túmulo quando ouve o light my fire, em versão Disco.
E cover por cover perfiro 1001 vezes esta:



E esta senhora canta muito bem, pelo que estou a ouvir agora....

Moda Lisboa

Mas aquelas aves raras que querem aparecer não se topam???
Pochetes, casacos da avó, óculos da feira da ladra, princesas rebeldes, inspirações na colecção não sei das quantas, no estilo rococó, calças que não lembram nem ao menino Jesus, lenços parecidos com os que a minha mãe tem em casa.....
Mas qual é o objectivo destas performances??? É que fazem com que eu pare de fazer algo e fique boquiaberta a olhar para a tv....
E pronto....é tudo o que tenho a dizer sobre a Moda Lisboa.

Agora vou responder aos comentários que estão em atraso ( e não são poucos)...

quinta-feira, março 08, 2012

Leve

Após uma semana de internamento da minha mãe, antecedida de uma semana e mais qualquer coisa de quase exaustão, hoje acordei e passei o dia a sentir-me Inês, a Inês de sempre, a que aguenta tudo e mais alguma coisa. Acordei a sentir-me mais leve, e soube-me pela vida.
E sabe-me tão bem, tão bem sentir-me Inês por inteiro. Isto de ter uns dias de Inês a 50% foram chatos. Mas finalmente, as energias estão retemperadas, e a bateria está praticamente carregada.


Dia Mundial

O dia de hoje não só é o Dia Internacional da Mulher, mas também é o Dia Mundial do Rim!!!!
Sei muito pouco acerca do rim, mas sei que é um órgão essencial à nossa saúde. Sei que existem muitas pessoas à espera de um rim, e muitas outras dependentes da diálise para viverem. 
Sei que faz bem beber água, porque o rim é como que o filtro do nosso corpo.
Sei que tem que viver com um rim, tem que cumprir rigorosamente uma dieta, e fazer medicação.
Sei que não há muitos dadores de rins no país.



Gajedo

Hoje é o Dia Internacional da Mulher, do mulherio, do gajedo.
E porque é o dia da "malta feminina", e a malta feminina tem vindo desde sempre a reivindicar o que é seu por direito (pena que em muitos países o gajedo não seja sequer tido como gente, quanto mais como alguém que pode reivindicar e exigir). E pelo facto de as lutas do gajedo pressuporem respeito, aquele fica ele. 
Cantado por uma grande mulher, senhora, gaja. Respeito é bom, é bonito e o gajedo gosta. 





Como é lógico as palavras gajas e gajedo não têm conotação depreciativa neste post.

quarta-feira, março 07, 2012

Essa música "maluca"

Confesso desde já que o meu Francês "ouvido", é enferrujado. Confesso também que músicas francesas são "uma cena que não me assiste". Mas estou deliciada com esta música.
Voltei a "sacar" os "meus" cd's de Lounge que me sabem muito bem ouvir. Deve ser do ritmo. E a mim ajuda a descontrair,e a descomprimir.

Indignação

Fiquei boquiaberta quando ouvi na rádio que a Makro vai despedir os seus 1500 trabalhadores que tem por todo o país. Mais do que boquiaberta, fiquei espantada, revoltada e indignada. "Necessidades de custos baixos", diz o Jornal de Negócios, falta de respeito pelas pessoas, digo eu. 
Não cabe na cabeça de ninguém (ou não cabia até à data), que fizessem algo como ou aceitam as condições ou gramam com o despedimento colectivo, e não têm direito a nada no fundo de desemprego, levam com a indemnização e já gozam.
Para pouparem custos??? Não, nada disso. Para fazerem novos contratos e porem e disporem de quem quer e precisa de trabalhar. 
Bem.....agora quero ouvir o que os nossos governantes e restantes  membros do Parlamento têm a dizer sobre o assunto amanhã (ou daqui a bocado), no Conselho de Ministros, ou na "Reunião quinzenal." 
E vai a Makro fechar???Não, não vai. Reduz de forma estúpida os funcionários e vai escravizar os que irão ser contratados.
Isto é precariedade ao mais alto nível (neste caso baixo nível), é uma filha da putice. Mas este país está bem é para eles, esses filhos da putice.



terça-feira, março 06, 2012

Bálsamo de boa disposição

Paulo Futre e José Castelo-Branco!!!
Estou perdida de riso!!!!
Tenho para mim que o Futrebol funciona como anti-depressivo, recomendo!!!

segunda-feira, março 05, 2012

Para todos


D
evíamos fazer isto todos os dias, ou esforçarmo-nos para tal. Eu tento fazer a minha parte todos os dias. Sorrir, pelo menos isso faço sempre. Espero que façam a vossa parte. Ainda não pagamos, e qualquer umas destas palavras é capaz de fazer muito por nós e pelos outros.

sábado, março 03, 2012

Águas de Março

O título do post é repetido mas tenham paciência....Eu gosto do mês de Março, sempre gostei. Só o facto de os dias serem maiores e de começar a "sentir o cheiro a Primavera", ganho mais alento. 
Não sei o que este mês me vai trazer, mas acredito que me vai trazer coisas boas.

Plágio

Não resisti a pazer este plágio,e adaptá-lo à minha vivência.

Um dia eu vou perceber a necessidade de reconhecimento, o ego e a arrogância de certas pessoas. Sério. Um dia vai fazer-se luz nesta cabeça e descobrirei o propósito de obter resultados com julgamentos imbecis e falta de conhecimento de causa. Um dia o meu ingénuo cérebro vai dar-me a inteligência suficiente para reconhecer a necessidade de exigir dos outros aquilo que não tivemos coragem de dar, quando passamos pela mesma situação. A puta da mente humana é tão curta que até dá dó. Mas até nessas falhas, bastava haver um pouco de humildade na correcção dos defeitos. Bancamos os perfeitos, com a mania que a sabedoria reina na nossa experiência associada à idade e à vivência, e esquecemo-nos de ser atentos e cuidadosos com as limitações, pessoais e profissionais, do outro. (...) A vida muda, minuto a minuto, pedindo urgentemente que nos adaptemos. Por vezes é simples, outras vezes nem tanto. E é aí que vemos o que realmente importa. Se o projecto final, se a caminhada de criação que o caracteriza (...). 

sexta-feira, março 02, 2012

Visionário

Pedro Passos Coelho é um visionário, está muito à frente do seu tempo e do nosso tempo. Pedro Passos Coelho  tem um bom guru ou um bom astrólogo do deu lado....
Pedro Passos Coelho diz que a taxa de desemprego é preocupante, e que o Governo deve acompanhar de perto a situação...
Eu estou triste.....pensava que uma taxa de desemprego de 14,8% não era nada.Afinal...parece que é alguma coisa... 

Tenho cá para mim que devia voltar a tomar a medicação......eu não posto estas coisas...
Não vá ao médico que não preciso....
Não faço disto um momento insano, porque eu mesma devo estar insana....O meu tico e o meu teco devem estar numa luta árdua para sobreviverem nesta minha cabeça cansadita...


Ora então boa noite para quem é de boa noite e bom dia para quem é de bom dia.



© Brainstorming
Maira Gall