quinta-feira, maio 17, 2012

Complexos




Ler este segredo levou-me a escrever ou a voltar a escrever sobre o assunto, e mais qualquer coisa.
Eu tenho mamas pequenas, visto tamanho 32 de soutien, na adolescência ouvi os famosos "tábua de passar a ferro....saís ao teu pai".
Também ouvi o famoso "se não gostares de ti ninguém gostará", mas convenhamos que não foi fácil....cara de rapariga perfeitamente comum que não se achava propriamente bonita na altura (hoje vejo-me ao espelho e considero-me normal, nem carne, nem peixe, normal), magra (ainda sou), estrábica (operada duas vezes), gaga, caixa de óculos e com um tamanho 32 de mamas. Basicamente a quase rainha dos complexos (safa-se o traseiro que sempre foi "saliente"). Como é que se ultrapassam estes complexos todos???Basicamente não sei, mas sei que foi ultrapassado. 

Aprendi a conviver com o tamanho 32, descobri que lá por ser magra ainda tinha algumas curvas. Mas a maior luta terá sido a com o estrabismo, não as mamas, não a gaguez, não o ser magra, sim o estrabismo. 

Esse sempre foi o meu maior complexo. Verdade seja dita, não olhava as pessoas nos olhos,  não gostava de que olhassem nos meus olhos, odiava que me mandassem levantar a cabeça e olhar nos olhos. Esta foi a minha luta, esta foi a condicionante para a timidez (se não falo, não olham para mim, logo passo despercebida com o olho torto). Seria um estrabismo à Rita Pereira, não exagerado, mas que se notava. 

Como ultrapassei??? Levei muito nas orelhas para olhar para as pessoas, custou-me aprender a fazer o que é normal para o comum mortal. Começei a aprender a olhar "olhos nos olhos" ( e a descobrir o bom que é olhar, a falar sem desviar o olhar, ou a fazê-lo menos). Depois veio a esperança: a operação para endireitar o olho pela segunda vez, com riscos (ficar tudo na mesma,e a pálpebra descair). Mas a operação, uma questão de saúde e sim também uma questão de estética ( a meu ver as duas), fez-me bem, fez bem à minha auto-estima, fez definitivamente com que olhasse as pessoas nos olhos. As mamas passaram em definitivo para último plano, assim como o resto.

Se operava as mamas, como operei o olho?

Não, nunca o faria. Estou habituada ao tamanho 32, não me iria sentir bem, com umas laranjas, ou umas meloas. Ia ficar desproporcional em mim, sempre o achei, e ainda acho.

Como faço com os decotes? Alguns não uso por ter "alguma noção do ridículo", outros componho com acessórios de que sempre gostei: écharpes, fios, e está feito a coisa.
Quanto ao olho, anda direitinho, no devido lugar desde os 18 anos (acho eu), e assim vai continuar. A gaguez por cá anda, o tamanho 32 e o ser magra idem, o rabiosque ibidem, os óculos também.
Mas gosto dos meus olhos....tenho pena em ter passado parte da adolescência a escondê-los.

Quanto ao resto também importante, aprendi a gostar de mim, assim como sou, com restos de complexos, qualidades e defeitos incluídos, e quem gostar de mim, tem que gostar do pacote inteiro. Não há lugar a silicones, a lentes de contacto, a nada.  

10 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. E assim "mostras" a tua verdadeira essência. Sem complexos, sem pudores. Linda! E, se tivesse ao pé de ti, dava-te um beijo na boca. Porque gosto de pessoas que gostem de si mesmas, que se aceitam tal e qual como são. Sem máscaras ou outro qualquer subterfúgio.

    Kiss :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este foi e continua a ser um processo de aprendizagem constante. Aprendi a viver com os complexos e com outras coisas mais, que como bem sabes estão aqui escritas. Nada foi e nada é e será fácil. Mas há que sabermos gostar de nós próprios, com todos os acréscimos.

      Eliminar
  3. E a Essência falou... e tirou-me as palavras da boca! (queres ver que afinal eu é que levei o tal beijo??? hehehe)
    És linda... e um exemplo a seguir.
    Um dia ainda vou olhar-te nos olhos e dizer-te isto pessoalmente.

    Um beijo enorme na minha princesinha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras!!
      Basta vires aos meus lados para tratarmos do assunto.

      Eliminar
  4. gostei gostei :)
    muitas coisas dependem apenas de nós, da nossa vontade... uma rapariga revolvida portanto :)

    também uso óculos desde pequinininha, também era chama de caixas de óculos... com o tempo aprendi a não chorar cada vez que me chamavam assim... hoje em dia ja nem me lembro que fazem parte da minha cara :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom ter-te de volta.
      Sou resolvida com essas coisas sim. Mas foi um processo relativamente longo na adolescência.Oh famoso caixa de óculos....
      Antes eram feios, agora são moda. Basta entrar numa loja de acessórios para ver dezenas de armações.

      Eliminar
  5. O que interessa mesmo é estares bem contigo...
    ...o que os outros pensam ou acham é problema deles!

    :)

    ResponderEliminar
  6. Adorei a descrição :-)


    Um beijo

    ResponderEliminar

© Brainstorming
Maira Gall