sexta-feira, fevereiro 27, 2015

Podia ter deprimido à conta da M80



Ouvir o "Iris" dos Goo goo dools na M80 fez-me sentir num misto de

"Sou do tempo desta música...."

"Pára tudo!!! Isto já é música da M80??? Eu já serei considerada da faixa etária que ouve a M80???

"Mas o Iris já passa na rádio das músicas antigas??? Mas como??? É dos anos 90...caramba....pois....tem que passar. Contas feitas a música é de 98, foi lançada quando eu tinha 17/18 anos, agora tenho 34.....a andar para os 35. A sério.....estou parva"


M80: música dos anos 70, 80 e 90....

E podia ter deprimido à conta desta constatação.

quinta-feira, fevereiro 26, 2015

O Toino

O Toino Luís meteu literalmente a pata na poça, e cometeu provavelmente um dos flops do ano (e estamos em Fevereiro).

“Em Portugal, os amigos são para as ocasiões, e numa ocasião difícil em que muitos não acreditaram que o país tinha condições para enfrentar e vencer a crise, a verdade é que os investidores chineses disseram ‘presente’, vieram, e deram um grande contributo para que Portugal pudesse estar na situação em que está hoje, bastante diferente daquela em que estava há quatro anos”.

Agora mais a sério, os "empresários" Chineses dos "vistos gold", tornaram-se nos nossos amigos???
E depois de afirmar em alto e bom som, que a austeridade fracassou e que ficámos na penúria graças às políticas de Direita, vem agora afirmar que estamos melhor do que há 4 anos??

Assim, de repente começo a pensar se o PS não está a fazer campanha para a Legislativas para o PSD as ganhar....é que olhando para estas declarações que já levaram a que Alfredo Barroso, um dos fundadores do partido se desfiliasse, o que me ocorre é que estão a fazer campanha pelo PSD.

A ser assim, para nos poupar tempo, mais vale desde já apresentarem-se a eleições conjuntamente.

Depois admirem-se por a direita aplaudir de pé este supremo "borrar o pé todo".


Se fosse fácil

Se fosse fácil.
Se não fosse um desafio, não teria aceite integrar a direcção da Associação aqui da terra.
E esperam-nos críticas, muitas críticas e umas quantas misturas de "velhos do Restelo" com os moralistas de trazer por casa.

Se fosse fácil, não me ia dar tanto gozo, tenho a certeza.

quinta-feira, fevereiro 19, 2015

Ajoelhou...então vai ter que rezar.

Ouvi na TVI , que o maior número de utilizadores do Ashley Madison, cerca de 17 mil encontram-se em Braga.
Assim, na Cidade dos Bispos, os Santos são Pecadores.
De repente a máxima "Ajoelhou...então vai ter que rezar", faz todo o sentido.

Não sei o que acham

Não sei quanto a vocês, mas eu, a minha pessoa adora este som. Leva-me lá longe, há uns bons anos atrás....Bons tempos esses....

Isto no aquecimento da aula de zumba é que era uma maravilha.


quarta-feira, fevereiro 18, 2015

Ser da CPLP tem destas coisas.....

No Carnaval do Rio, a Guiné Equatorial foi a melhor escola de samba.
De repente até uma pessoa pensa que a Guiné comprou não só uma escola de samba, mas também os resultados do concurso deste ano.
Não há melhor estratégia de marketing para uma ditadura, do que ser enaltecida no maior Carnaval do Mundo.

Assim, deduzo que na abertura dos Jogos Olímpicos do Rio, o Obiang já terá o seu lugar reservado ao lado da Dilma. Vip que é vip deve ter estes privilégios. Compram-se escolas de samba e fazem-se umas negociatas pelo caminho...

Sobre as minhas leituras

Sobre as minhas leituras concluí ontem de forma definitiva, que o meu ecletismo nos livros já lá vai há uns anitos.

Depois de terminar a Trilogia o Século, comecei a ler um romance que me ofereceram no aniversário, para intervalar com o Chave de Salomão, que vou começar hoje a ler.

Devo dizer que me vi e me desejei para ler os Acasos do Amor. Foi um desafio autêntico. Um desafio autêntico porque desde a primeira à última página o meu pensamento enquanto ia lendo ia do "porque estou eu a perder tempo", a "caneco.....tivesse mais substância e enredo, seria mais agradável de se ler".

Em suma....não volto a ler este tipo de livros. Fiquei com um vazio tal na minha mente, que me sinto relativamente estupidificada. Romances para eu ler, têm que ter algo de minimamente interessante pelo meio. Um exemplo: os livros da Nora Roberts. Tem sempre um romance pelo meio, mas dão-me algum entusiasmo para ler, pelo facto de terem sempre uns assassínios pelo meio.

  

quarta-feira, fevereiro 11, 2015

Estou equivocada

Estou equivocada com o alarido que anda em redor do filme as "50 sombras de Grey".....
Assim de repente, pergunto se estamos perante o "Último Tango em Paris" do século XXI.....
É que vi o trailler e assim de repente que o "Instinto Fatal", o "9 semanas e meia" e o "Eyes wide shut", dão-lhe 10 a 0.

sexta-feira, fevereiro 06, 2015

#Gostodisto 32


Já que as reportagens sobre o "estado" das nossas urgências são moda



Já que as reportagens sobre o "estado" das nossas urgências é moda, causa-me muita perplexidade os media ainda não terem vindo assentar arraiais no Hospital de Alcobaça, o Hospital da minha área de residência. E honestamente, deveriam vir ver como funcionam estas urgências.....

Não há macas, não há pulseiras amarelas (há mais de uma semana), não há médicos, não há enfermeiros, auxiliares, meios complementares de diagnóstico. Não há sala de espera para a pediatria. Não há suportes para soro, não há uma entrada para as urgências em condições, ou pelo menos a porcaria de um aparelho de ar-condicionado para nesta altura manter quentes os velhos que entram em maca. Não há casas de banho em condições, não há nada para os doentes comerem enquanto esperam (leite e bolachas é assim tão caro????).

Mas também existe lá algo que não posso deixar de mencionar: a enorme falta de respeito que existe de quem tutela o CH Leiria/Pombal, e dos que estão acima dessa mesma tutela. Os que tutelam a tutela. Uma falta de respeito para connosco. 
Sendo o CH Leiria/Pombal uma "instituição" acreditada internacionalmente, não tem cabimento nenhum o Hospital de Alcobaça ser um centro de saúde que recebe ambulâncias. Na sua essência, este hospital é um centro de saúde que recebe ambulâncias. 
Os cuidados prestados são do terceiro mundo. E isso é no mínimo uma falta de respeito para connosco. A minha mãe foi atendida basicamente ao fim de quatro horas, mas eu vi pessoas que se vieram embora ao fim de sete horas à espera para serem atendidos. Sim, tinham pulseira verde, mas nunca numas urgências normais pulseiras verdes teriam que estar mais de sete horas à espera.
Isto é uma falta de respeito.
(E sim, reclamei, e sei que há-de haver alguém a ler a reclamação e irá pensar que eu tenho razão no que escrevo.)


quarta-feira, fevereiro 04, 2015

#HoradoVitinho 205

O que está aqui em causa

O que está em causa não é a recusa da doente em fazer os tratamentos indicados para a Hepatite C. Qualquer pessoa pode recusar um medicamento ou um tratamento que lhe queiram dar. O que está em causa é a capacidade de resposta que o Estado tem paraa com todos estes doentes.
Que país é este onde se pagam dívidas e juros antecipados aos nossos credores, mas que de ano para ano diminuiu drasticamente o orçamento para a saúde. Caramba....em pleno século XXI, num país que pertence à UE e que se diz ser do 1º mundo, as nossas políticas são cada vez mais terceiro mundistas. Não existem cuidados básicos de saúde em condições, listas de espera para operações e consultas são de meses e meses, não há macas em hospitais, morrem pessoas nas nossas urgências. Pessoas há que não vão a uma urgência ou a um centro por não terem dinheiro.....
No nosso país morrem pessoas por haver quem prefira pagar juros antecipados aos credores.
Isto é quase um "genocídio". Deixam-se definhar e morrer pessoas para o Estado poupar dinheiro.

Que país é este, que espécie de gente que nos governa, e nos deixa a definhar....

terça-feira, fevereiro 03, 2015

#HoradoVitinho 204

Tenho em mim um imenso nojo

Tenho em mim um imenso nojo e um cada vez maior desprezo por esta gente, que se diz combater em nome de Alá.

segunda-feira, fevereiro 02, 2015

#HoradoVitinho 203

Ainda não falei das eleições Gregas ou a contestatária que há dentro de mim ganhou vida...

Ainda não falei das eleições Gregas, apesar de já ter mencionado a forte presença do seu Ministro das Finanças.
E para mim, ponho tudo isto em linhas bem simples, sem grandes floreados. Se não, vejamos:
se eu fosse tratada como uma indigente, se eu fosse privada de ter acesso a um serviço nacional de saúde por estar desempregada, se eu estivesse sem vida, dignidade, abaixo do limiar da sobrevivência, desesperada, arruinada, sem esperança, farta de ser chulada por uma cambada de estrangeiras e nomeadamente uma Chanceler que se limita a ter uma economia baseada na agiotagem que faz, virar-me-ia com toda a certeza para o Syriza. 
Não ser de extrema-esquerda, ou por querer sair do Euro e da União Europeia. Virar-me-ia para o Syriza por ver na figura do actual primeiro ministro, e nas promessas que fez a esperança de ter volta toda a dignidade que me tiraram enquanto cidadã Grega, Europeia e especialmente enquanto ser humano.

Isto de se encherem bolsos e de fazerem economias crescer à custas de empréstimos com elevadas taxas de juros é basicamente uma chulice de primeira apanha. Isso....uma chulice de primeira apanha. E se eu fosse Grega estava fartinha de ser chulada. 
De ser chulada por malta que se põe em cima de um pedestal a apregoar a moral e os bons costumes da economia e das finanças, quando esse malta se "esquece" que após a 2ª Guerra Mundial viu mais de 60% da dívida perdoada pelos seus credores, onde estava a Grécia incluída. Fosse eu Grega exigia que me fosse feito igual perdão da minha dívida para ter a economia do meu país relançada, para ter os meus direitos básicos de volta. E é isto....

Mas não sou Grega.... sou Portuguesa. Vivo igualmente num país plantado à beira-mar, virado para o mediterrâneo e no Sul da Europa. Vivo no país mais a Sul da Europa.
Vivo num país de bons alunos, de paus mandados dessa Alemanha agiota que também enriqueceu às minhas custas. 
Vivo num país arrastado e arrasado por PPP'S, construções e Fundações, bancos e grupos económicos falidos e descabidos. 
Num país cujos governantes me acusaram de viver acima das minhas possibilidades e que me preferem ver a viver numa indigência escondida. Antes uma indigência escondida, a bater o pé a essa cambada de agiotas. Antes serem os bons e obedientes alunos e deixarem a população na pobreza a ter tido um valente par de tomates para pôr os pontos nos i's como bem deveria ser. 
Vivo num país onde afirmaram em alto e bom som que iam mais além do que troika. Qual quê.....fazer o que mandam, nada isso. Vamos mais além, vamos ser melhores, vamos mostrar que não somos Gregos ou Irlandeses. Que somos Portugueses, que honramos as nossas dívidas, nem que para isso tenhamos de voltar ao tempo da sardinha para 6.
Vivo num país, que desinvestiu onde tinha que investir financiando Bancos e Grupos económicos falidos ou vias de tal. 
Vivo num país onde morrem pessoas nas urgências hospitalares por estarem horas à espera de serem observadas. Vivo no país onde as finanças oferecem sorteios com Audis, mas em contrapartida vivo também num país onde não terei forma de "sustentar" esse dito Audi, onde terei que o vender para o comer.
Não sou Grega....sou Portuguesa. Uma Portuguesa orgulhosa de o ser mas triste ao ver o que fizeram ao país. Um país onde as pensões mínimas são tão mínimas que deviam envergonhar quem as tabelou. Vivo num país que tem um ordenado mínimo de 505€, ordenado esse que subiu 20€ e o problema que foi para subir 20€.
Vivo num país que foi vendido a Chineses, Angolanos, Brasileiros, Franceses, onde é promovida e agradecida a entrada a toda a corja de mafiosos que por aí anda. Um país que é a sanita da Europa. Nada mais, nada menos do que a sanita da Europa.

Não sou Grega...sou Portuguesa. Não tenho um Syriza em quem votar, mas percebo perfeitamente os que votaram no Syriza, a única réstia de esperança que os Gregos têm.
Não tenho um Syriza, mas sei que nas próximas eleições o nosso boletim de voto vai ter pelo menos mais meia dúzia de partidos novos. 
Vivo num país, onde um ex-bastonário da Ordem dos Advogados enganou os desgraçados que votaram nele, e irá enganar outros tantos usando o "partido" que fundou, porque os nossos políticos estão podres.
Vivo num país onde cada um dos "desalinhados" da esquerda fundou ou vai fundar um novo partido, um novo movimento, um novo grupo de cidadãos (os bancos da AR devem ter um estofos do mais elevado nível para tantos se quererem lá sentar). 

Não sou Grega... sou Portuguesa, estou no limiar apesar de ter luz em casa (300 mil Gregos não tem electricidade) e de ter acesso ao SNS. 

Não sou Grega...sou Portuguesa e tenho como PM alguém que afirma que isso do perdão da dívida e essa mania de querer dar esperança a um Povo, não passam de contos de crianças.
 
Não sou Grega....sou Portuguesa, e vivo num país que financiou com o meu dinheiro o maior esquema de fraude, a maior máfia (qual Lehman Brothers, qual quê), o maior polvo. 
Vivo num país que paga orgulhosamente os seus juros a essa agiota Alemanha, mas quem em contrapartida não gasta 48 mil euros por pessoa para curar a Hepatite C, e nem demonstra vontade de negociar o preço desse salvador de vidas.

Não sou Grega....sou Portuguesa. Vivo num país à beira-mar plantado. Não tenho um Syriza, mas tenho uma vintena de "partidos" sequiosos de poder, a sonharem com o poder, e a esquecerem-se das pessoas.

Viva o "Charlienismo"

Ser Charlie também é escrever que eles fodem, e nós também fodemos num jornal de tiragem nacional, mesmo que os muitos Charlies consideram uma ofensa.
Provavelmente não fodem, copulam, fazem amor, procriam.
Foder....foder não...isso é uma pouca vergonha.

E para que conste, ser Charlie é isto: escrever o foder, e ter a liberdade de o criticar.

Nós por cá

Já se diz por aí que o novo ministro das finanças Grego, Yanis Varoufakis é "sexy mother f*.







 Assim, e se a sua presença for determinante para os propósitos Gregos de perdão/negociação da divida, atrevo-me a dizer em definitivo que as nossas negociações com a UE foram sempre tão permissivas devido à fraca presença dos nossos ministros das finanças:





Resumindo e concluindo, na próxima Legislatura o Governo (seja qual for a ideologia partidária), deve pensar em atribuir a pasta das Finanças a alguém com mais "presença".


domingo, fevereiro 01, 2015

Bateu-me uma espécie de saudade da pista 2

Bateu-me uma espécie de saudade ao ler este artigo sobre o Green Hill. Há quem diga a Green Hill, já eu faço parte dos que dizem o Green Hill.
Faço também parte daqueles que chegavam ao Green Hill e deixavam-se estar na varanda do primeiro andar a ver o pessoal a dançar na pista 1, mas desertinhos para que abrisse a pista 2 (pelas 2 da manhã). E abrindo a pista 2, era a "loucura". Começava com algo soft para animar. De seguida para aquecer e até às 4 da manhã, o dj passava rockalhada da boa e da pesada, daquela pura em que a malta abanava a cabeça e até dava eventualmente para o moche.

Das 4 da manhã em diante entrava-se nesta onda, na onda da grande house music.

E é daqui, destas noites no Green Hill e especialmente na pista 2 que vem o meu especial gosto musical por uma boa rockalhada e um bom house.

Saudades.....


© Brainstorming
Maira Gall