quarta-feira, novembro 23, 2016

Diz que a vida começa aos 30

Diz que a vida começa aos 30 e eu hoje fiz 36 anos.

Quando fiz os 30, fiz um já realista (ainda que atabalhoado ) balanço dos 29 anos de vida. Não deixa de ser interessante observar que tudo o que ali explanei se viria a reflectir mais cedo ou mais tarde. E de facto foi isso o que aconteceu: apesar de ter encarado os 30 anos com relativa facilidade, a passagem para os 35 abanou-me muito os alicerces. De facto não é fácil entrar na segunda metade de uma década e constatar que nada, de nada, de nada se realizou ou estava em vias de tal. Não tanto a nível de relações amorosas , mas sim a nível profissional e emocional. Admito que parte deste ano que passou e que terminou, não foi fácil. Não é fácil interiorizar que nada, nada, mesmo nada pode ser por nós premeditado ou definido. Aprendi, e relembrei-me de que acredito no destino, e que aquilo que me estiver destinado a mim há-de chegar.

E hoje, aos 36 anos concluo mais uma vez que o caminho faz-se caminhando. Com altos e baixos, curvas e contra-curvas, numa auto-estrada com via verde ou numa estrada de terra batida, por ruas vielas e becos sem saída (em que a saída é exactamente voltar atrás e começar tudo de novo), o caminho é faz-se caminhando, independentemente da chuva e do sol da nossa vida e da bagagem que carregamos connosco.

E é com base, com base nesta premissa que entro nos 36, que começo o meu ano novo. A caminhar e com esperança.


quinta-feira, novembro 17, 2016

Das recorrências

A bipolaridade....
A bipolaridade, o transtorno de personalidade....
A bipolaridade, o transtorno de personalidade e a minha quase incapacidade para lidar com ambos.


quarta-feira, novembro 09, 2016

Pata na poça

Este mundo é hoje um lugar demasiado estranho para se viver. E atrevo-me a dizer que é também medonho. Tenho medo do que o futuro nos pode trazer, não a nós Portugal, mas a nós cidadãos do mundo. 

Só alguém muito burro, e com um fraco conhecimento do que os rodeia como são os Americanos podiam eleger o Donald Trump como o seu Presidente. Se calhar parte deles até têm aquilo que merecem, mas nós não merecemos. 

Caramba.....passaram décadas a lutar pelos direitos civis e pelos direitos das mulheres, pela liberdade e no fim.....no fim metem a pata na poça, elegem o oposto.


 

domingo, novembro 06, 2016

Mudam-se as prioridades

Passei anos a querer engordar, e agora o meu objectivo é querer emagrecer.
Preciso urgentemente de dar um rumo ao pneu que se alojou na minha barriga.

A maior dificuldade que tive em deixar de fumar foi o ocupar as mãos e o cérebro, especialmente quando se trabalha com pessoas que fumam. Ao trabalhar com pessoas que fumam veio também a necessidade de em períodos de maior stress ter que manter as mãos e o cérebro ocupados. E como se fez isso? Comendo gomas cheias de açúcar, e uns palmiers fantásticos de uma pastelaria perto do hotel, (e os barquinhos....tão bons que os barquinhos são), juntando com vitaminas que senti necessidade de tomar para aguentar o ritmo de trabalho. E açúcar estimula, dá energia.

O resultado final desta brincadeira são sensivelmente uns 4kg a mais (estou a descontar o peso da roupa). E estou em querer que não engordei mais porque tenho um metabolismo acelerado, que sempre foi desfazendo parte das guloseimas que foi comendo. Pode alguém perguntar-se
"Podias ter bebido água" - sempre bebi bastante água;
"Podias ter comido fruta. Se o problema é o doce a fruta docinha é tão boa" -  não gosto de fruta doce ou muito madura. Gosto de doces, que sejam doces, não sei se me estou a fazer entender;
"E não deste conta de que estavas a ficar cheia?" -  Claro que dei. "E não paraste porquê?" - os doces substituíram o cigarro. E só um ex-fumador sabe o quanto necessário é por vezes ter que ocupar as mãos e o cérebro.
"Deves estar com umas análises jeitosas...." - impecáveis, as minhas análises ao sangue estão impecáveis!!
"E agora?" - agora, estando em casa, é a altura perfeita para deixar o vício das gomas e não arranjar nenhum substituto. É tempo de esperar que o metabolismo faça o seu trabalho, e de voltar à alimentação que tinha na altura em que ter deixei de fumar. E fazer exercício físico.

sexta-feira, novembro 04, 2016

Que tens para nos contar?


"É melhor ser alegre que ser triste 
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração
Mas pra fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza
É preciso um bocado de tristeza
Senão, não se faz um samba não"


quinta-feira, novembro 03, 2016

Inês, o que é feito de ti?



Cá estou, cá estou.
A ganhar rugas e cabelos brancos, mas cá estou.


© Brainstorming
Maira Gall